Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Guaratuba à frente, produção rural no Litoral cresce o dobro que no Paraná

Redução de 30% na produção de banana em 2016 foi compensada pelo aumento do preço – foto: Arquivo Correio do Litoral

 

Em 2016, a variação nominal (sem descontar a inflação) do Valor Bruto Rural (VBP) no Litoral foi de 30,8% em comparação com 2015. No Paraná, o aumento foi de 14%.

As informações são do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, e foram divulgadas em reportagem do jornal Folha do Litoral.

Leia a reportagem publicada nesta terça-feira (25):

O técnico do Departamento de Economia Rural no litoral, da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento, Maurício Lunardon, informou que o trabalho de levantamento é realizado em conjunto com outros órgãos como Emater, IBGE e prefeituras através de suas secretarias de Agricultura. “Durante todo ano, visitamos produtores, acompanhando o desenvolvimento das lavouras, conversando com pescadores, enfim, com os envolvidos nesse processo”, observou.

Maurício Lunardon: “A produção de banana influenciou significativamente nos resultados em 2016” – foto: Folha do Litoral

O cálculo do VBP é feito através do recolhimento de informações dos produtos da agropecuária (produção primária) de todos os municípios. É feito um cálculo envolvendo área e produção e multiplicado pelo valor médio de comercialização. Cada produto tem um valor total e no final é feita a soma de todos os produtos de cada município, ou seja, é o que gerou toda a agropecuária daquele município. “Esse é um valor médio para todo o Paraná. O que varia é a produção”, detalhou Lunardon. O VBP serve para o Fundo de Participação dos Municípios. “O Estado repassa verba para os municípios. Tudo que é arrecadado pelo Estado 75% fica para ele para pagamentos e investimentos e 25% retornam aos municípios. Cada cidade pegará uma quantia desse valor, contudo, os valores não são iguais. Os valores dependem de vários fatores e um deles é o da produção agrícola. Outros fatores também são importantes como o tamanho e número populacional do município, questões ambientais, entre outros”, explicou.

PRODUÇÃO

O profissional destacou que a produção de banana em Guaratuba é muito forte, além da pesca industrial. “Ocorreu uma redução da banana em 30% por questões climáticas. Mesmo assim a produção influenciou significativamente nos resultados em 2016 se comparado ao ano anterior. O preço do quilo da banana teve um acréscimo no ano passado e este foi um dos fatores para o aumento na variação. Lembrando que esses números são definidos após trabalho em conjunto, em parceria. Agora também está crescendo a produção de pupunha em Guaratuba”, observou. Os números apresentados correspondem à produção anual.

Confira a produção por municípios em 2016:

Guaratuba (valores aproximados) principais produtos

Camarão marinho (de captura) – R$ 64,1 milhões
Banana – R$ 61,2 milhões
Pescado marinho (de captura) – R$ 8,8 milhões
Arroz irrigado – R$ 3,7 milhões

Antonina (valores aproximados) principais produtos

Banana – R$ 3,9 milhões
Palmito – R$ 3,3 milhões
Chuchu – R$ 2,3 milhões
Mandioca consumo (humano) – R$ 1,2 milhões
Maracujá – R$ 1,1 milhões

Morretes (valores aproximados) principais produtos

Chuchu – R$ 11,9 milhões
Pepino – R$ 4,9 milhões
Maracujá – R$ 3,9 milhões
Abobrinha verde – R$ 2,4 milhões
Banana – R$ 2,2 milhões

Pontal do Paraná (valores aproximados) principais produtos

Pescado marinho (de captura) – R$ 5,8 milhões
Camarão marinho (de captura) – R$ 2,0 milhões
Matinhos (valores aproximados) principais produtos
Pescado marinho (de captura) – R$ 5,3 milhões
Camarão marinho (de captura) – R$ 1,9 milhões

Guaraqueçaba (valores aproximados) principais produtos

Banana – R$ 11,1 milhões
Palmito – R$ 7,9 milhões
Pescado marinho (de captura) – R$ 6,1 milhões
Camarão marinho (de captura) – R$ 5,4 milhões
Arroz irrigado – R$ 2,6 milhões

Paranaguá (valores aproximados) principais produtos

Pescado marinho (de captura) – R$ 3,3 milhões
Camarão marinho (de captura) – R$ 3,1 milhões
Mandioca consumo (humano) – R$ 1,8 milhões
Camarão marinho (de cultivo) – R$ 1,3 milhões

 

Fonte: Folha do Litoral – 

Leia também
Receba nossa notícias em seu e-mail.
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...