Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Grupo da UFPR Litoral apoia combate ao comércio ilegal de aves

Foto; Laboratório de Ornitologia – CEM/Setor Litoral

De acordo com o Batalhão da Polícia Ambiental da Polícia Militar, entre 2012 e 2014 foram aprendidas mais de 4 mil aves nativas em cativeiro somente no Litoral do Paraná. O grupo de estudos Emilie Snethlage, do Setor Litoral da UFPR, decidiu contribuir para amenizar essa situação e desde 2016 desenvolve ações educativas, com a participação de professores e estudantes voluntários.

O grupo, formado em 2016, é coordenado pelos biólogos Luiz Mestre, professor do curso de Gestão Ambiental, e pela bióloga voluntária Juliana Recheleto. A maioria dos estudantes voluntários é egressa da Interação Cultural e Humanística (ICH) de Ornitologia e Conservação. As ICHs fazem parte da proposta pedagógica do Setor Litoral e consistem no desenvolvimento de atividades que aliam prática e teoria, promovendo a interação entre estudantes de diversos cursos e a deles com as comunidades locais.

De acordo com a bióloga Juliana Recheleto, o principal interesse dos voluntários é promover a conservação de aves por meio de ações de educação ambiental. Para isso, elaboram atividades didáticas que possam ser usadas por professores, educadores, ONGs e quem mais se interessar.

O primeiro projeto do grupo foi elaborado em 2016 para contribuir com o Ano do Papagaio, uma ação promovida pela Sociedade de Zoológicos e Aquários do Brasil. O Grupo Emilie formulou atividades didáticas que envolviam aspectos gerais da biologia dos papagaios e questões sobre conservação e tráfico ilegal. O material produzido nas atividades foi apresentado no XVI Encontro Paranaense de Educação Ambiental, publicado na revista Educação Ambiental em Ação, doado para os projetos de pesquisa e encontra-se integralmente disponível online.

Luiz Mestre explica que em 2017, o grupo elegeu 35 espécies de aves para compor um material didático. “De março a agosto, foram desenhadas 15 espécies de aves e produzidas 73 atividades educativas focadas em aspectos da biologia, ecologia e conservação”, conta.

Com o material finalizado, será produzida uma compilação de atividades didáticas para serem disponibilizadas na internet. Além disso, foram estabelecidas parcerias com o Ibama e o Sesc Caiobá para futura realização de palestras sobre o tema e a utilização do material produzido por professores da região.

Um relato de experiências da aplicação nas escolas públicas de Matinhos foi publicada na Revista Educação Ambiental em Ação e apresentado no XVI Encontro Paranaense de Educação Ambiental.

Integram o grupo os estudantes Aline Messias, Aline Stella Ferro, Silvana Pampuch, Juliana Ramos e Giorgia Azeredo. Qualquer pessoa interessada em ajudar nas atividades é bem-vinda.

Fontes: UFPR e Laboratório de Ornitologia

Leia também
Comentários
Carregando...