Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

14 são condenados por desvio de indenizações de pescadores

Claudio Delladone, o mais conhecido dos condenados

O famoso advogado Claudio Dalledone Júnior e outras 13 pessoas foram condenados no processo que investiga desvios de indenizações pagas pela Petrobras a pescadores de Paranaguá.

Ele foi condenado a 11 anos, um mês e 23 dias de reclusão em regime inicial fechado, além de multa de R$ 14.238,00, mas pode recorrer da decisão em liberdade, com uso de tornozeleira eletrônica. A sentença foi proferida nesta sexta-feira (5) pelo juiz Leonardo Marcelo Mounic Lago, da 1ª Vara Criminal da cidade litorânea.

Os demais condenados tiveram penas que variam de 4 anos, 1 mês e 23 dias de detenção a 22 anos, 11 meses e 14 dias de prisão. Todos podem recorrer em liberdade.

Segundo as investigações, o juiz aposentado Hélio Tsutomu Arabori, o cartorário Ciro Antônio Taques, o servidor público Arival Tramontin Ferreira Júnior e o advogado Marcos Gustavo Anderson teriam se apropriado de indenizações pagas pela Petrobras a pescadores após dois desastres ambientais, em 2001. 

Alguns pescadores sequer chegaram a receber algum valor que lhe era devido e foi desviado pelos condenados.

Segundo, o Ministério Público do Paraná, o advogado Claudio Dalledone Junior “passou a representar os interesses do grupo e tinha conhecimento dos esquemas milionários de corrupção”, por isso foi incluído no processo.

Claudio Dalledone Júnior respondeu por meio de nota

“O advogado Claudio Dalledone Júnior manifesta total surpresa com o fato de estar incluído no rol da referida decisão já que ele não tem, absolutamente, qualquer relação com os fatos investigados. Dalledone apenas atuou como advogado de um dos envolvidos, profissão que exerce com retidão há mais de 30 anos. E tão somente isso. Dalledone está muito tranquilo e tem plena confiança que o Poder Judiciário do Paraná vai reverter esta decisão e trazer à tona a verdade sobre os fatos”.

O espaço também está aberto para todos os citados.

Acidentes ambientais – As indenizações aos pescadores tiveram origem em dois acidentes ocorridos no ano de 2001: o vazamento de óleo do Poliduto Olapa, em fevereiro, e a nafta derramada pelo navio Norma, em outubro. Os incidentes obrigaram os pescadores a deixar de trabalhar por longos períodos, o que levou a Justiça a determinar o pagamento de indenizações aos prejudicados.

Atualização – Na terça-feira (9), o desembargador substituto Benjamim Acácio de Moura e Costa, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR), retirou a medida contra Claudio Dalledone que o obrigava a usar tornozeleira eletrônica.

Leia também: Promotoria denuncia juiz e mais 18 por desvio de indenizações de pescadores

Confira a íntegra da sentença: