Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Carta 205. Ecoturismo em Curitiba na primavera

Contrate um naturalista 

Após três semanas de permanência na baixada litorânea, cheguei em Curitiba na noite da sexta para sábado, para passar na capital o primeiro fim de semana da nova primavera: os dias 29 e 30 de setembro. Pretendi curtir a cidade como ecoturista, mas trabalhando como naturalista.

Como é bom estar no planalto no começo da primavera! Como foi delicioso também: encontrei no meu caminho por toda parte frutos bem maduros de amora (Morus nigra) e da amoreira-preta-da-europa (Rubus ulmifolius). E como são lindas as flores deste maracujá silvestre, Passiflora actinia, totalmente ausente do litoral, mas muito abundante aqui no planalto.

Percorrendo a beira da floresta, frequentemente se repara um cheiro forte de mel. Provém das fartas floradas do vacum (Allophylus edulis) e do guaçatunga (Casearia sylvestris).

Sendo início da primavera, os répteis voltaram a aparecer e, infelizmente, a serem mortos pelo tráfego. No domingo encontrei no Parque Iguaçu (Setor Pesqueiro) o lagarto sem pernas chamado cobra-de-vidro (Ophiodes sp.). Estava morto e quebrado.

Com as temperaturas agradáveis, naquele dia havia no Parque Iguaçu crianças tomando banho nas “cavas”, os seus pais na margem, pescando ou descansando, algumas borboletas voando, ainda nenhuma mutuca incomodando e o saci (Tapera naevia) cantando e observando tudo.

O início desta primavera na capital teria sido perfeito, se não fosse o odor dos rios na atual época de estiagem. Felizmente, na noite do domingo choveu um pouco e já no dia seguinte encontrei alguns cogumelos comestíveis bem frescos: Coprinus comatus, entre a grama, e uma espécie de Agaricus (“champignon”), na margem da floresta.

Ao fazer turismo em Curitiba, a minha mãe (que esteve ali nos verões de 1980 e 1990) e a mãe dela e a avó dela, todas teriam prestado muita atenção às flores. Resolvi honrar essa minha herança pelo lado materno…

Neste fim de semana, estendido para incluir a segunda-feira, pude observar em Curitiba 196 espécies de plantas floridas.(a) Deste total, 48 estavam ainda sem flores na última vez que visitei a cidade, há três semanas. Interpreto este aumento súbito e grande (24,5%!) em espécies floridas como um sinal de que a primavera na capital chegou para valer. As espécies que iniciaram a florada nessas últimas semanas foram listadas no Apêndice 1.

Ainda cheguei em tempo para poder assistir o início da florada da árvore mais plantada nas ruas de Curitiba: a exótica tipuana (Tipuana tipu). No sábado ainda estavam raras as flores caídas da sua copa e tinha de procurar bem para encontrar uma. Mas hoje já são abundantes e daqui a algumas semanas o chão abaixo desta árvore estará forrado de amarelo.

(a) As caminhadas turísticas foram feitas nos bairros Alto Boqueirão (região do Zoológico; na segunda-feira), Boqueirão (Parque Iguaçu, Setor Pesqueiro; no domingo), Jardim Social e Tarumã (no sábado).

Leia também
Receba nossa notícias em seu e-mail.
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...