Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Uma história do Dia das Mães em Guaratuba

A Flávia de Moraes recebeu seu presente de dia das mães adiantado e com muita emoção.

Grávida e mãe de 4 filhos, ela acordou com algumas dores leves de contração que indicavam que o Henzo estava querendo nascer na sexta-feira (8), a família só não esperava que de uma hora para outra.

Foto: Grazi Eurich

Ela contou que fez o almoço normalmente, que estava tranquila mas, à tarde, as contrações de repente ficaram muito fortes, e estava na hora de ir para o Hospital Maternidade.

Ela ligou para o 193 do Corpo de Bombeiros, mas a equipe estava atendendo um incêndio desde a manhã.

Foi então que ela fez a ligação para o Samu 192.

No atendimento da Central de Regulação em Paranaguá, Dr. Márcio Dginkel se deu conta que aquela seria uma das ocorrências mais difíceis de sua vida, pois a ambulância do SAMU estava voltando de Paranaguá, quase chegando para a fila do ferry-boat pra voltar para Guaratuba, conta o médico.

No atendimento da regulação, o Dr. Márcio foi passando as instruções para Flávia e o marido.

Os médicos da UPA foram acionados pelo Samu, a Dra. Simone Pereira foi até a residência da Flávia para fazer o parto.

O Corpo de Bombeiros, o Samu e a médica chegaram quase ao mesmo tempo, e o trabalho de parto já havia iniciado. Não daria mais tempo de levá-los para a Maternidade e o Henzo Valentin nasceu em casa, nas mãos das três equipes!

Foto: Arquivo pessoal

Mamãe e filho foram levados para o Hospital Maternidade de Guaratuba, onde passam bem.

O pequeno Henzo nasceu às 15h22, com 46 cm e 2.945 kg.

Flávia diz que as equipes foram verdadeiros anjos da guarda. Um trabalho integrado do SAMU, Corpo de Bombeiros e Pronto Socorro Municipal.

Segundo ela, a chegada do filho Henzo traz uma nova história de felicidade para esse dia, isso porque há 7 anos ela perdia a mãe. Agora a data tem um outro significado, “ele trouxe felicidade e luz”.

A Dra. Simone Pereira diz que a mãe achou que o filho iria aguardar mais uns dias para vir ao mundo e, de repente, em seu domicílio, ambiente não apropriado pois não oferecia as condições adequadas para realização do procedimento, ele chegou.

Com 13 anos de formada, esse foi o primeiro parto emergencial domiciliar que a médica realizou. “Essa foi uma experiência única e inexplicável que será inesquecível. Afinal, ter o prazer de trazer ao mundo uma vida, tendo poucos minutos para conseguir, não tem palavras para expressar o que senti,” ressalta a médica.

Texto: Grazi Eurich / Prefeitura de Guaratuba

Leia também
Comentários
Carregando...