Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Paranaguá comemora 373 anos nesta quinta, 29 de julho

Paranaguá completa 373 anos de fundação na próxima quinta-feira. A data lembra a criação da Vila de Nossa Senhora do Rosário de Paranaguá, o município mais antigo do Paraná, em 29 de julho de 1648.

A prefeitura programou uma série de inaugurações e entrega de obras, que começaram no sábado e vão até a quinta-feira. 

Devido a pandemia, as solenidades são poucas e a programação artística nesta semana se limita a uma live com uma dupla sertaneja. César Menotti e Fabiano fazem uma live show na quarta-feira (28), às 22h, com transmissão pelos canais oficiais da Prefeitura de Paranaguá. Na semana passada, de 19 a 22, teve apresentações com artistas locais.

Os vereadores homenageiam a cidade com uma sessão solene na terça-feira (27), às 19h, na Câmara Municipal. No dia do aniversário, haverá um ato cívico no Palácio São José, sede da prefeitura, com hasteamento das bandeiras, às 8h, e arriamento às 18h. 

“Cidade Mãe do Paraná”

Jean Baptiste Debret (1827)

O povoamento nos limites atuais de Paranaguá começou por volta de 1550, na ilha da Cotinga, cerca de 5 anos depois da chegada dos primeiros portugueses em Superagüi (hoje Guaraqueçaba). Até hoje as duas cidades disputam a condição de mais antiga do estado, com Guaraqueçaba usando o título de “cidade berço do Paraná” e Paranaguá de “cidade mãe do Paraná”. O que é incontestável é que a própria Guaraqueçaba pertencia a Paranaguá, só se desmembrando em 1947. 

Seu nome surgiu da denominação da baía pelos indígenas que habitavam a região: pernaguá ou parnaguá, que significa grande mar redondo em tupi-guarani.

Os primeiros colonos foram atraídos pelas notícias da existência de ouro que se presumia existir nas chamadas terras de Sant’Ana, ao sul da Capitania de São Vicente.

Duas décadas depois, os pioneiros, à frente Domingos Peneda, natural de São Paulo, temido e conhecido como “Régulo e Matador”, considerado o fundador da povoação, conquistaram a margem esquerda do rio Taguaré (Itiberê) habitado por indígenas Carijó.

Com a chegada de Gabriel de Lara (1600-1682), em 1640, nomeado capitão- povoador, desde o início, não poupou esforços em obter licença para erigir o Pelourinho, simbolizando a justiça portuguesa e, de fato, ereto em 6 de janeiro de 1646.

Gabriel de Lara, atento à defesa das novas exigências dos moradores, que vieram atraídos pela garimpagem, valendo-se de seu prestígio, obteve o foral, com força de carta Régia, por ter sido passado em nome de Dom João IV, pelo qual elevou o povoado ao predicamento de vila – Vila de Nossa Senhora do Rosário de Paranaguá, em 29 de julho de 1648.

Em 1660 tornou-se capitania, passando à condição de cidade em 5 de fevereiro de 1842. 

Ao ser criada a Província do Paraná, em 1853, desmembrada da Província de São Paulo, também se criou a Capitania dos Portos do Paraná, que passou a funcionar em 13 de fevereiro de 1854. Fato marcante para Paranaguá foi a visita de D. Pedro II, em 1880, para o lançamento da pedra fundamental do edifício da Estação Ferroviária.

A estrada de ferro foi tão rapidamente construída que já em 2 de fevereiro de 1885 era inaugurada e até hoje é motivo de grande orgulho na engenharia nacional.

Em 1935, Paranaguá ganhou o porto Dom Pedro II, que mudou o perfil econômico da região, sendo considerado o segundo maior em volume de exportações e o primeiro da América Latina em movimentação de grãos. 

Com informações da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Paranaguá, Wikipedia e Prefeitura de Guaraqueçaba.

Leia também
Comentários
Carregando...