Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Casos de variante delta em Paranaguá foram em navio que ficou em quarentena

No início de agosto, três navios cumpriam quarentena determinada pela Anvisa (foto: Claudio Neves/Portos do Paraná)

A Secretaria de Estado da Saúde confirmou nesta quarta-feira (25) mais um óbito em decorrência da contaminação pela variante delta da covid-19, e 17 casos e um óbito por sublinhagens desta cepa, sendo 14 casos e um óbito da sublinhagem AY.4 e três casos da AY.12.

As informações foram repassadas por meio do relatório de circulação de linhagens Sars-CoV-2 (vírus responsável pela covid-19), por sequenciamento genômico, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O caso da variante delta foi registrado em Ouro Verde do Oeste. Trata-se de uma mulher de 53 anos, que iniciou os sintomas no dia 14 de julho, precisou de internamento e faleceu. Ela possuía comorbidades e havia tomado uma dose de vacina contra a Covid-19.

Confirmações – Os casos da sublinhagem AY.4 foram registrados em Piên (4), Curitiba (3), Colombo (1), Goioerê (1), Fazenda Rio Grande (1), Araucária (1) e Paranaguá (3). O óbito provocado por contaminação desta linhagem foi registrado em Araucária: um homem de 58 anos, que foi internado e faleceu no dia 5 deste mês. Também foram confirmados 3 casos da sublinhagem AY.12, todos de Paranaguá (3).

Três navios tiveram casos e suspeitas de covid

De acordo com a Sesa, os casos de Paranaguá são tripulantes de navio que atracou no final de julho e ficou em quarentena. Os tripulantes residem no Exterior, destaca a secretaria. Na ocasião, três navios ficaram isolados na área de fundeio localizada em frente ao cais do porto.

O MV Astakos, de bandeira maltesa, chegou no dia 25 de julho e entrou em quarentena no dia seguinte, dia 26; o Meghna Princess, de bandeira de Bangladesh, carregava soja desde o dia 27 de julho, e entrou em quarentena no dia 29; e o Redhead, com bandeira de Antígua e Barbuda, que chegou para carregar açúcar no dia 25, e também entrou em quarentena no dia 29/07.

“O único navio para o qual a Anvisa acionou o plano de contingência para o uso da ambulância disponibilizada pela Portos do Paraná para retirada de tripulantes que precisavam de atendimento hospitalar foi o Meghna Princess“, informou a empresa pública Portos do Paraná, no dia 2 de agosto. O MV Astakos é o único que continua no porto, ao largo, para “reatracação”, conforme consulta online sobre navios em operação no porto.

PROTOCOLO – Assim que o relatório é enviado pela Fiocruz, a Secretaria da Saúde entra em contato com suas Regionais que, por sua vez, comunicam os municípios de residência (ou de notificação) dos casos confirmados para iniciarem a investigação epidemiológica. Este processo inclui dados desde o início dos sintomas, a realização do exame, se houve internação e se o caso é considerado como cura ou óbito.

GERAL – Até agora, 789 amostras do Paraná já foram sequenciadas pela Fiocruz e 529 aguardam resultado. A maioria das amostras corresponde à variante P.1 (461 casos). A variante delta possui atualmente 59 casos confirmados e 20 óbitos, além de 17 casos de sublinhagens (14 casos AY.4 e 3 casos AY.12), com um óbito da AY.4.

SUBLINHAGENS – Sublinhagens de variantes são fenômenos que fazem parte da evolução viral natural e estão associados à taxa de replicação da doença. Quanto mais o vírus multiplica, mais rápido ocorrem os processos de evolução.

O vírus Sars-CoV-2 sofre mutações esperadas dentro do processo evolutivo de qualquer vírus RNA. Quando isso acontece, caracteriza-se como uma nova variante do vírus. Para a nomenclatura não ficar muito comprida, quando chega em quatro caracteres, é dado um novo nome. É o que aconteceu com a P.1 e P.2: os nomes oficiais eram B.1.1.28.1 (para a P.1) e B.1.1.28.2 (para a P.2). A AY.4 é a B.1.617.2.4 e a AY.12 é a B.1.617.2.12.

VARIANTE DE ATENÇÃO – Quando as mutações ocasionam alterações clínicas e epidemiológicas relevantes, como maior gravidade e maior potencial de infecção, essa variante é classificada como VOC (variant of concern ou variante de atenção). As VOC são consideradas preocupantes devido às mutações que podem conduzir ao aumento da transmissibilidade e ao agravamento da situação epidemiológica. As sublinhagens da variante delta, assim como a própria cepa, são consideradas como VOC.

Saiba mais:

Portos do Paraná segue monitorando navios em quarentena – 2/8/2021

Leia também
Comentários
Carregando...