Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Lembranças

Lembranças boas, para mim, são gatilhos para muitas saudades. Infelizmente, o uso da palavra lembrancinha para designar presentes pequenos ou baratos, tirou a imponência que ela merece. Aproveitando o assunto, presente é presente. Se a pessoa fez ou comprou, tanto faz. O importante é que pensou em você.

As lembranças boas ficam impressas em nós. Quase a totalidade de nossas fotos são de boas lembranças. Ninguém quer aparecer em fotos nos momentos ruins.

Nossos cinco sentidos têm essas lembranças.

Tive uma espécie de crise por causa de um perfume. Meu pai trazia, do Rio de Janeiro, uma lavanda. Nada caro, mas marcou minha infância. Estava andando pela Saara, centro comercial popular no centro do Rio, quando vi uma loja de essências. Na placa, tinha a data de 1950. Imediatamente, entrei e perguntei se tinham a lavanda. Tinham e era ela. Gente, eu tive uma crise de choro absurda, daquelas de soluçar.  Minha mãe, que estava junto, foi para outra loja. Vazou! Não aguentou assistir o mico que estava pagando.  Fui parar na sala da dona da loja. Reconheço, passei do limite aceitável. Talvez, tenha chorado novamente a morte do meu pai. E a minha mãe? Voltou com uma mala que tinha comprado, eu a enchi de perfumes, dei de presente para toda a família e ninguém deu bola. Passando esse rolo, rimos muito do pânico que causei, na Rua Direita

Quando frito bacon, não penso só que bacon é vida. Me transporto para a cozinha da minha tia Manucha, em Irati. Bacon frito e crocante. Bate uma saudade gigante. Pescada à milanesa é outro gatilho. É impossível não lembrar da infância no nosso litoral. Peixe sequinho, sem molhos mirabolantes, só um limão. Esses sabores, coisas que nos fazem ter água na boca, essas memórias nos mostram o quanto comida tem a ver com afeto. Comida afetiva e honesta.

Aquela música gostosa que nos faz viajar, o barulho do mar, a paisagem bonita, o toque em algo macio também ativam nossas lembranças. Olhar para a lua cheia na Praia Brava, em Caiobá, é das coisas mais lindas. Acho que pelo contraste com as pedras é um show a parte.

Pois bem, um conselho da tia Claudia: não dê tanto valor para as coisas ruins, se ainda não acabaram, elas vão passar. Use os sentidos para buscar boas lembranças e revivê-las.

Leia também
Comentários
Carregando...
error: Conteúdo protegido!