Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

TRF4 confirma liminar que autorizou derrocagem na Pedra da Palangana

Obra foi iniciada no dia 6 de setembro, e já está com mais de 50% concluída (Foto: Claudio Neves/Portos do Paraná)

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) confirmou nesta quarta-feira (24) que a empresa Portos do Paraná pode continuar o derrocamento na Pedra Palangana no canal de acesso ao Porto de Paranaguá. 

Os desembargadores votaram por unanimidade a favor da empresa pública em um recurso de Agravo de Instrumento contra a liminar que autorizou a implosão das rochas dentro do processo de dragagem do porto. O acórdão estará disponível para consulta pública em breve.

“Como a turma julgadora decidiu dar provimento ao recurso da empresa pública, mantêm-se, assim, a execução das obras que avançam sem qualquer prejuízo à atividade econômica ou ao meio ambiente na região”, explicou o diretor jurídico da Portos do Paraná, Marcus Freitas, que acompanhou a sessão remotamente. “A decisão de suspensão da liminar comprova a tese apresentada pela empresa pública, que a licença ambiental concedida pelo Ibama respeitou e cumpriu todos os ditames legais”.

OBRA – A obra foi licitada em 2020 e o contrato foi assinado em outubro daquele ano. Em novembro foi liberada a ordem de serviço.

Enquanto o projeto executivo para a obra avançava, por decisão liminar do juiz substituto Flávio Antônio da Cruz, da 11ª Vara Federal, foi deferida, em ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal e Ministério Público Estadual, a suspensão da Licença Ambiental e da obra de dragagem por derrocamento no Porto de Paranaguá.

No último mês de agosto, a desembargadora Vívian Josete Pantaleão Caminha, do TRF4, deferiu o pedido liminar da Diretoria Jurídica da Portos do Paraná e suspendeu a decisão liminar do juiz substituto da 11ª Vara Federal. A obra foi iniciada, então, no último dia 6 de setembro, e já está com mais de 50% concluída.

A Portos do Paraná informa que “segue cumprindo todos os requisitos de cuidado com o meio ambiente e a segurança da navegação”.

Leia também
Comentários
Carregando...