Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

MPF recorre de decisão que permitiu continuidade da obra na orla de Matinhos

Imagem da câmera ao vivo da obra, no local onde está sendo construído um espigão

O Ministério Público Federal (MPF) recorreu da decisão da 11ª Vara Federal de Curitiba que indeferiu a suspensão das obras e a decretação da nulidade de todo o processo de licenciamento ambiental dos projetos de recuperação da orla marítima de Matinhos. 

De acordo com o MPF, a decisão da 11ª Vara “reconheceu que o Instituto Água e Terra (IAT) teria realizado um ‘autolicenciamento’ ambiental ilícito e inconstitucional e determinou que o Ibama assumisse a condução do referido processo administrativo, mas, de forma contraditória, não anulou o processo de licenciamento”.

O agravo de instrumento contra a decisão foi interposto no dia 13 de setembro, nos autos da Ação Civil Pública proposta pelo MPF e pelo Ministério Público do Paraná, em 13 de agosto. 

Através das fases do procedimento de licenciamento estão previstos o engordamento artificial da orla e diversas outras intervenções que, segundo o Ministério Público, “produzirão impactos na orla marinha, correntes e ondas”.

Autolicenciamento – De acordo como a decisão reconhece, o Instituto das Águas do Paraná e o Instituto Ambiental do Paraná foram absorvidos na estrutura do IAT, por conta da Lei Estadual n° 20.070/2019. Isso ensejou a situação em que postulante (Instituto das Águas) e apreciador do pedido (Instituto Água e Terra) fossem a mesma entidade.

Princípio da prevenção – Embora a decisão judicial tenha reconhecido a gravidade da situação, que viola a imparcialidade para os atos administrativos, esta afirmou que a comprovação deveria ocorrer em fase de instrução processual. Neste ponto, o MPF defendeu, mais uma vez, o princípio da prevenção ambiental que impõe a adoção de medidas de cautela, justamente porque ao final da instrução processual a obra estará concluída.

Outro aspecto destacado pelo MPF é que a decisão declarou que nem todas as condicionantes da licença prévia e da licença de instalação teriam sido cumpridas. O MPF afirma que o não cumprimento das condicionantes ocorreu sem qualquer explicação detalhada a respeito, e a decisão entendeu que isso deve ser comprovado no curso da ação, quando toda a obra estará pronta com impactos irreversíveis.

O judiciário também declarou que faltou publicidade às audiências públicas: “pela própria complexidade e dimensão do empreendimento, era salutar que um número maior de audiências fosse promovido, de modo a elucidar todos os tópicos relevantes às obras em causa”. E, de modo mais contundente, afirmou revelar-se inválida a licença auto-outorgada pelo IAT ao comprometer o dever de isenção e objetividade inerente ao procedimento.

Para a procuradora da República Monique Cheker, “a decisão fez importantes e precisas considerações ao reconhecer praticamente todos os graves vícios postos na inicial. Contudo, violou princípios ambientais, dentre eles o da prevenção, ao não anular o licenciamento ou paralisar as obras”. Segundo a procuradora, “a obra se iniciou há poucos meses, momento em que a sua continuidade causará maior impacto danoso ao meio ambiente, frisando que a intervenção de maior impacto (estruturas semiflexíveis de enrocamento, headlands, nos balneários Riviera e Flórida) ainda está por iniciar”.

Praia de Riviera recebe areia da dragagem, como já foi feito em Caiobá

Leia também
Comentários
Carregando...