Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Pinguim com nadadeira amputada retorna à natureza 

Um pinguim que precisou ter uma nadadeira amputada, passou por um tratamento e por um longo período de recuperação até poder retornar ao mar, já podendo nadar a caçar, no início de outubro.

Ele foi solto na praia do balneário de Pontal do Sul, em Pontal do Paraná, onde fica o Laboratório de Ecologia e Conservação, cuja assessoria divulgou esta história.

SM20, como foi batizado o pinguim-de-magalhães, foi encontrado com uma das aletas (nadadeira) gravemente lesionada e que precisou ser removida para que ele se recuperasse e voltasse a ficar saudável. 

A amputação cirúrgica foi realizada por meio de uma parceria entre o LEC-UFPR, via Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), e o Hospital Veterinário da UFPR. O médico veterinário do PMP-BS, Fábio Henrique de Lima, confirma que depois do processo de amputação, o animal teve uma melhora muito grande.

“Ele sentia muita dor com aquele membro que não tinha mais viabilidade e depois que foi feita a remoção ele conseguiu evoluir positivamente seu caso clínico, ou seja começou a ganhar peso, se alimentar melhor, não ter mais dor”, comenta o veterinário.

Com o sucesso da cirurgia, o pinguim iniciou uma fase de adaptação. Diversos procedimentos foram usados para fazer com que o pinguim percebesse que agora só tinha uma das aletas e precisava aprender a adaptar suas funções para conseguir caminhar, nadar, caçar e se defender nessa nova condição.

O processo de introduzir o pinguim no grupo foi lento, mas eficiente. Os outros pinguins que estavam em reabilitação foram cada vez mais interagindo com o SM20 e incluindo ele ao grupo. Eles viram o animal caçando presa viva, nadando com obstáculos na piscina, usando a asa e o bico para se defender, etc. 

Assim, com a saúde recuperada e a boa adaptação à nova condição, SM20 foi solto junto com os outros 9 pinguins no dia 8 de outubro, na praia de Pontal do Sul, em um evento que pode ser acompanhado por moradores e visitantes do Litoral.

SOBRE O PMP-BS

O Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS) é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental da Petrobras no pré-sal. 

Esse projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e do atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos animais encontrados mortos. 

O projeto é realizado desde Laguna/SC até Saquarema/RJ, sendo 

dividido em 15 trechos. O LEC/UFPR monitora o Trecho 6 (Paraná), compreendido entre os municípios de Guaratuba e Guaraqueçaba.

Ao encontrar animais marinhos debilitados ou mortos nas praias paranaenses é possível acionar a equipe do PMP-BS/Laboratório de Ecologia e Conservação (LEC) do Centro de Estudos do Mar (CEM) da UFPR pelo 0800 642 33 41 ou pelo Whatsapp (41) 9 92138746.


Texto e imagens: Assessoria de Comunicação do LEC-UFPR

Leia também
Comentários
Carregando...