Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Justiça determina novamente prisão de Beatriz Abagge

A Justiça do Paraná pediu novamente a prisão de Beatriz Cordeiro Abagge, uma das condenadas pela morte do menino Evandro Caetano, ocorrida em 1992, em Guaratuba.

De acordo com a defesa, a prisão foi determinada no dia 3 e como Beatriz não se apresentou é considerada foragida pela Justiça.

Em abril deste ano, a 2ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba determinou a prisão de Beatriz após a mudança de entendimento do STF de que as sentenças proferidas em segundo grau devem ser cumpridas imediatamente. O caso foi a julgamento duas vezes. Em 1998, Beatriz e a mãe, Celina Abagge, foram absolvidas e o MP recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF). O segundo júri, em 2011, condenou apenas Beatriz a 21 anos e quatro meses de prisão. Ela recorria da decisão em liberdade. Sua mãe não foi julgada novamente por causa da idade avançada e prescrição do crime.

De acordo com o advogado de Beatriz, Samir Assad, após a determinação da prisão em abril, o Tribunal de Justiça (TJ-PR) cassou a decisão e determinou que a Vara de Execuções Penais (VEP) analisasse o pedido de indulto – o perdão da pena – feito pela defesa. De acordo com Assad, a VEP não analisou o pedido e devolveu o processo ao Tribunal do Júri. O juiz então negou o pedido da defesa e decretou novamente a prisão. “O TJ determinou que o pedido fosse julgado pela VEP. O juiz não tem competência para tomar esta decisão”, disse. Para o advogado, a liminar de habeas corpus foi descumprida.

O advogado afirmou que Beatriz Abagge não foi informada oficialmente da decisão. “Ela tem interesse em se apresentar no momento em que essa situação for esclarecida”, disse ao site Paraná Online.

 

Leia também
Comentários
Carregando...