Poligonal? Eu nunca ouvi falar…

coluna-daniel-lucio-peqVocê é à favor ou contra o novo desenho da nova poligonal portuária? “Depende”, serão muitas respostas. “Não sei…”, serão outras.

Um triângulo tem três lados.
Um quadrado quatro lados.
Um pentágono cinco
Uma poligonal…. muitos lados!
E ponha muitos lados nesse debate!

Dias atrás estava conversando com um amigo. Profissional na área de logística há décadas. Falávamos sobre portos, transportes, logística e o papo acabou caindo no tal traçado que a Appa – Administração dos Portos do Paraná, enviou à Brasília para a Secretaria de Portos da Presidência da República.

Como o leitor já deve estar sabendo, a figura da Autoridade Portuária só pode ser exercida dentro de uma área de jurisdição, que a lei chama de Porto Organizado. Este patrimônio público é limitado geograficamente por divisas como se fossem fronteiras de países ou até municípios. Estas linhas imaginárias do traçado é o que se chama de Poligonal Portuária: área delimitadora do Porto Organizado onde a Autoridade Portuária atua.

Pois é: há décadas nossos portos receberam milhares de trabalhadores, recursos e investimentos em terminais e infraestrutura portuária, que construíram o que atualmente gera trabalho, riqueza, renda, impostos e milhares de pequenos e grandes negócios no seu interior e no seu entorno.

Voltando à conversa com meu amigo:

Ele, uma pessoa que sempre respeitei e é respeitado na comunidade portuária me perguntava com certo espanto:

– Por que essa discussão com poligonal do porto Daniel?

– Pois é, meu amigo, é isso que me faz desconfiar de tudo, pois não faz sentido, pois o porto existe há décadas com as regras atuais e nunca foi obstáculo pro seu crescimento – respondi.

Esse meu amigo tem mais de 40 anos na área portuária em Paranaguá, conhece todos os terminais e seus dirigentes. Me fez uma confissão: “Eu nunca tinha ouvido falar dessa poligonal. Nunca nenhuma empresa me perguntou alguma coisa sobre isso”.

Conversamos de qual é o impeditivo pra se investir nos portos do Paraná que hoje existe? –

– Nenhum! Me respondeu.

Por ser um profissional altamente conhecedor da logística portuária e seus modais rodoferroviários, é muito consultado por quem pretende operar em Paranaguá e Antonina. Como ele mesmo disse, as consultas são sobre custos dos modais, produtividades operacional, capacidade instalada dos terminais portuários e outros itens decisivos para a decisão de trazer cargas em investir nos portos do Paraná.

Aí ele diz com surpresa: “Nunca nessas conversas, alguém me perguntou sobre ‘poligonal’, nem eu sabia que existia!”

Em resumo, todos somos favoráveis e desejosos de investimentos, renda e benefícios sociais para todos, especialmente em fase de recessão econômica que o Brasil atravessa, mas o que intriga a todos é:

Quem patrocina a campanha de alterar o atual Porto Organizado para excluir áreas privadas desta área da autoridade pública portuária?

Por que os “papagaios de pirata” repetem sem cessar que somente excluindo as áreas particulares é que virão “bilhões” em investimentos?

Pois é, como já escrevi em outras edições desta coluna, NADA, absolutamente nada impede a vinda de novos terminais à Paranaguá, Antonina e Pontal do Sul, afinal, se isso fosse verdade, os atuais portos não estariam batendo recordes, como a própria administração do porto (Appa) divulga através de sua assessoria de comunicação.

Que venham os investimentos, os empregos e o desenvolvimento aos portos do Paraná, sem criar privilegiados amigos do rei.

É a minha opinião.

Comente esta notícia

comentários