Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná
Navegando pela Categoria

Carta da Mata

Carta 210. Flores e frutos pelas estações, no leste do Paraná

Através das minhas circulares, vocês devem ter percebido que nos últimos anos me esforçei especialmente para conhecer as plantas vasculares do leste do Paraná. “Por fim”, pois todos os organismos aos quais me dediquei antes - cogumelos, aves, borboletas etc., - dependem totalmente das plantas verdes para viver. Para encontrar as plantas, caminhei pelas ruas, jardins e parques urbanos, e percorri estradas e caminhos rurais, sempre prestando muita atenção às margens da floresta. Trabalhei em duas áreas geográficas distintas: a parte do Litoral entre o nível do mar e 200 m de altitude, e as partes do Primeiro e Segundo planalto entre 870 m e 1200 m. Não caminhei na Serra do Mar, onde poderia ter examinado altitudes intermediaras (entre 200 e 870 m) e superiores (acima de 1200 m), mas isto ainda pretendo fazer. Nos últimos doze meses deste levantamento (período de 24/03/2018 a 19/03/2019) tenho dividido o meu trabalho de campo de forma igualitária sobre o litoral e o planalto, alternando períodos de quinze dias em cada região. Assim, os dados obtidos em ambas as áreas, pelas quatro estações, são perfeitamente comparáveis, também pelo fato que o meu esforço em campo foi constante ao longo do ano. Leia a íntegra da Carta 210 anexa.

Carta 207. Sobre muçum e início da florada

Na última circular (Carta 206) mencionei que encontrei um total de 132 espécies de vertebrados como vítima de atropelamentos pelo tráfego, no litoral norte do Paraná. Neste total, não há peixes, já que os peixes não atravessam estradas. Pelo menos, é isso que eu pensava...

 Resenha do livro “Aves: Ilha do Mel”

Acabei de receber de presente o recém-lançado livro “Aves: Ilha do Mel” (Debiazio & Zambrin,2018). É o resultado de um levantamento intensivo das aves da Ilha do Mel, feito por um casal de residentes a partir de 2008. Vivendo dentro da sua área de pesquisa, Roseli & Walter puderam observar da própria varanda, o vai-e-vem das aves ao longo do ano. Mas andaram bastante pela Ilha também, a pé ou de bicicleta e obtiveram um resultado impressionante: conseguiram fotografar 164 espécies de aves!

Carta 205. Ecoturismo em Curitiba na primavera

Contrate um naturalista  Após três semanas de permanência na baixada litorânea, cheguei em Curitiba na noite da sexta para sábado, para passar na capital o primeiro fim de semana da nova primavera: os dias 29 e 30 de setembro. Pretendi curtir a cidade como ecoturista, mas trabalhando como naturalista.

Caminhar vendo flores

Carta 204. Sem lenço sem documento Como é prazeroso caminhar sem rumo pelos bairros bem arborizados das cidades. Ainda mais na estação fria: é muito bom de andar sem suar, sem lenço. A peculiaridade do inverno é que em cada passeio se encontre alguma espécie adicional abrindo as primeiras flores da nova temporada.

João Jardineiro buscando jardim

Ao entrar na adolescência e iniciar a vida de naturalista amador, recebi do meu irmão mais velho, Herman, um novo apelido. Ele então começou a me chamar de “Hendrik Jan de Tuinman”. O equivalente disso em português é “João Jardineiro”.
error: Content is protected !!