Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Mesmo sendo improvável, Paraná se prepara para chegada de óleo no mar

Plataforma que permite prever acidentes marítimos no Litoral paranaense foi lançada nessa terça (5), em Curitiba.

O Brazilian Sea Observatório (BSO), ou em português, Observatório Brasileiro do Mar, permitirá maior capacidade de reação do governo em relação a acidentes marítimos como, por exemplo, monitorar o aparecimento de manchas de óleo.

O projeto foi desenvolvido pela empresa EnvEx Engenharia e Consultoria, em parceria com pesquisadores do Centro de Estudos do Mar da Universidade Federal do Paraná e pela Universidade de Lisboa, com recursos provenientes de projeto da União Europeia. O objetivo é utilizar a tecnologia de imagens e satélite para monitorar fatores que possam ocasionar desastres marítimos na costa brasileira.

Plataforma – O BSO é uma plataforma gratuita da internet disponível para o público em geral através dos links: https://observatoriodomar.org/ e http://portal.brazilianseaobservatory.org/, na qual mostra dados amplos de todo o Litoral brasileiro, com maior detalhamento do Litoral paranaense e catarinense.

“Com essa plataforma as pessoas saberão quais são as condições marítimas, como: nível, velocidade, temperatura, salinidade, quantidade de oxigênio, nutrientes, entre outras informações que permite prever o uso da água naquele local”, explica o diretor da EnvEx, Helder Nocko. “A ferramenta está sendo atualizada aos poucos para disponibilizar ainda mais informações”.

Para o professor da UFPR e coordenador geral do projeto, Maurício Noernberg, essa é uma grande oportunidade de mostrar que o desenvolvimento científico da Universidade. “Em parceria com empresas, podemos oferecer produtos de forma gratuita para a comunidade e ser muito útil para o setor acadêmico, produtivo, órgãos governamentais e não governamentais”.

Simepar – O Sistema Tecnológico e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar) já acompanha o monitoramento realizado pelo Ibama em relação às manchas de óleo que estão se espalhando pelo Litoral nordestino. “Hoje a possibilidade das manchas de óleo chegarem até o Litoral paranaense é baixa, mas estamos atentos para qualquer eventual que possa acontecer e tomar as medidas cabíveis com antecedência”, diz o presidente do Simepar, Eduardo Alvim.

A ideia é fortalecer esse monitoramento utilizando os dados da nova plataforma, bem como também disponibilizar informações convenientes do Simepar para alimentar e ampliar os dados do BSO. A parceria ainda está sendo discutida.

“A plataforma permitirá, por exemplo, maior capacidade de reação do governo em relação a acidentes com óleo, mapeamento da movimentação de navios, maior conhecimento sobre as condições de navegabilidade no Litoral do Paraná, fomento à pesquisa científica e estudos sobre pesca, aquicultura e qualidade das águas de toda Costa no nosso Estado”, ressalta o secretário Márcio Márcio Nunes.

Nordeste – O óleo encontrado nas praias nordestinas apresenta características específicas em relação a sua densidade que dificultam a sua observação por imagens de satélite ou mesmo fotos aéreas.

Segundo o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), formado pela Marinha do Brasil (MB), Agência Nacional de Petróleo (ANP) e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), desde o início do aparecimento das manchas, mais de 4 mil toneladas de resíduos já foram retiradas desses locais.

Há várias hipóteses ainda para a origem desse óleo, mas o fato é que até o momento não houve uma conclusão nem sobre o que causou e nem o ponto exato onde esse óleo surgiu, apesar de haver estudos indicando que a provável origem é uma região entre 600 km e 700 km da costa, na altura dos Estados de Sergipe e Alagoas.

Considerando a distância, a quantidade do material e as correntes marinhas da costa brasileira e do Litoral paranaense, considera-se pouco provável que essa mancha de óleo atinja as praias, baías e mangues do Paraná.

As localidades que ainda permanecem com vestígios de óleo e com ações de limpeza em andamento são as seguintes: Maragogi, Japaratinga, Barra de São Miguel, Coruripe, Feliz Deserto e Piaçabuçu, em Alagoas; Artista, em Sergipe; Arembepe, Berlinque, Barra Grande, Cueira, Pratigi, Alcobaça, Mar Moreno e Piracanga, na Bahia.

 

Leia também
Comentários
Carregando...