Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

UFPR Litoral abre parcerias em tecnologias baratas para testes da covid

Duas tecnologias que podem substituir o fator que mais pesa no custo nos testes imunológicos para a Covid-19 — os antígenos virais, hoje importados — estão em oferta tecnológica via Agência de Inovação da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

As tecnologias foram desenvolvidas no Laboratório de Microbiologia Molecular da UFPR Litoral e viabilizam alternativas nacionais aos testes imunológicos, em geral comerciais, que atestam a presença do vírus no organismo por meio dos anticorpos que o corpo produz ao reagir ao microrganismo. Isso ocorre de sete a dez dias depois do contágio.

A proposta das ofertas tecnológicas é criar parcerias com empresas a fim de colocar no mercado kits de diagnóstico para uso laboratorial capazes de constatar o coronavírus por meio de uma gota de sangue. Uma das inovações propõe metodologia nova para um diagnóstico rápido, em 15 minutos, cujo kit teria custo de produção estimado em R$ 10. A outra é uma adaptação para um teste imunológico tradicional, o Elisa (Enzyme-Linked Immunosorbent Assay), que sairia ainda mais barato, cerca de R$ 5.

Na foto, a mudança de coloração que atesta a presenta de anticorpos do coronavírus no corpo. Fotos: Divulgação/Secom-UFPR

“A parceria com empresa permitiria que os kits chegassem a um número maior de pessoas, já que os testes são necessários para o enfrentamento da pandemia no Brasil. A universidade não tem capacidade de produzir kits em larga escala, comercializá-los e nem registrá-los nos órgãos sanitários, porque apenas empresas podem fazer isso”, afirma o professor Luciano Fernandes Huergos, que coordena o laboratório.

Antígenos brasileiros

O laboratório já obteve a produção sintética e em escala dos antígenos, as proteínas usadas para detectar os anticorpos relacionados ao vírus. Foram separadas duas entre as que mais causam reações no sistema imunológico humano. A produção nacional poderia reduzir o custo desse insumo do diagnóstico laboratorial em até cinco vezes, considerando a ausência de câmbio e taxas de importação.

No método novo, cuja oferta tecnológica está disponível até o dia 30, a parte líquida do sangue (soro) é separada e depois incubada com os antígenos de produção nacional e, mais à frente, exposta a um líquido revelador que aponta a presença de anticorpos por meio da mudança de cor. O resultado fica disponível em 15 minutos. Nesse tempo, é possível fazer simultaneamente de dez a 15 testes.

O professor Luciano Huergo e o bolsista de iniciação científica Marcelo Conzentino no Laboratório de Microbiologia Molecular da UFPR Litoral. Fotos: Divulgação

Com isso, a estimativa é que o kit diagnóstico custaria cerca de R$ 10 para ser produzido. Atualmente um kit do tipo é vendido por R$ 90 pelos fabricantes aos laboratórios. A outra opção de testes disponível no Brasil é do tipo RT-PCR, que detecta vestígios genéticos do vírus e é o adotado pelos laboratórios públicos, que têm expertise já sólido no Brasil.

Potencial

Além da redução de custos, a nova tecnologia mostrou capacidade de aumento de precisão. Isso ocorre por meio de uma inovação fundamentada em nanobiopartículas desenvolvidas especificamente para o diagnóstico do coronavírus. Essas partículas ficam dentro de microesferas revestidas de antígeno e, em contato com a amostra de sangue e dentro do processo, tornam o diagnóstico mais preciso.

Segundo Huergo, o sistema permite reduzir os casos de falsos positivos. “Não encontramos no mercado produto similar que seja capaz de detectar dois antígenos com tanta rapidez, escalabilidade e preço. O fato de as proteínas estarem em solução e não fixadas em um substrato seco, como nos testes imunológicos tradicionais, reduz o número de falsos positivos. Além disso, o uso de nanopartículas e de reagentes cromogênios especiais aumenta a sensibilidade de detecção do nosso método”.

Aprimoramento

O laboratório também disponibilizou outra oferta tecnológica de kit diagnóstico para a Covid-19, dessa vez uma adaptação de um teste imunológico tradicional, o Elisa. A capacidade de processamento é de até 96 amostras ao mesmo tempo, com resultado em quatro horas e possibilidade de automatizar o processo.

Outra vantagem do novo Elisa é o custo ainda menor na fábrica, cerca de metade do teste com nanobiopartículas. A explicação para isso é que a análise tradicional também pode fazer uso do antígeno nacional desenvolvido na UFPR Litoral, e ainda possibilita alta escala e automatização. A tecnologia de adequação do método ELISA para diagnóstico de Covid-19 também está disponível para oferta tecnológica. O prazo se encerra em 3 de julho.

Huergo ressalta que os testes baratos e que podem ser feitos em grande escala são importantes para o controle da pandemia, uma vez que permitem conhecer o tamanho da população infectada. “Estamos falando em testar milhões de pessoas, então o preço é muito relevante”.

Fonte: Camille Bropp Secom-UFPR – Colaborou Aline Gonçalves, da Secom/UFPR Litoral

Leia também
Comentários
Carregando...