Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Pescadores têm apoio do MPF para rever mudanças no seguro-defeso e RGP

Foto: MPP
Foto: MPP

MPP apresenta denúncias ao subprocurador-geral da República, Luciano Maia.

A reunião do Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais com Luciano Maia, que também é coordenador da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão (populações indígenas e comunidades tradicionais) do Ministério Público Federal (MPF), foi na quarta-feira (28). Na ocasião os pescadores e pescadoras relataram os vários problemas que têm afligido e impedido essa população tradicional de exercer a profissão.

Foram feitos relatos sobre a quantidade de RGPs (Registro Geral da Pesca) cancelados, indeferidos ou suspensos. O documento que é obrigatório para todo pescador exercer a profissão não tem sido emitido para novos pescadores há mais de dois anos. Em 2015, 279 mil RGPs foram cancelados, em 2016, 186 mil RGPs foram suspensos. Somados com os 200mil RGPs não entregues, são quase 600 mil pescadores que podem ser criminalizados por exercer a pesca sem documentação.

Há relatos de pescadores no Espírito Santo e na Bahia com barcos e instrumentos de pesca apreendidos por estarem sem o RGP. O acesso a benefícios previdenciários como seguro-defeso ou auxílio-doença também está comprometido, já que é necessário ter o documento para ser beneficiado.

A situação se agrava porque desde que o Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) foi extinto em 2015 e as suas atribuições foram passadas para o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA), vários funcionários foram dispensados. Atualmente apenas 10 pessoas são responsáveis por emitir, para todo o Brasil, as carteiras de RGP.

Os pescadores relataram também a dificuldade de acesso ao seguro-defeso mesmo para pescadores que tem o RGP regularizado. A burocratização para ter acesso ao benefício tem aumentado em vários estados. No estado do Ceará, por exemplo, passaram a exigir o Rol de equipagem, documento que identifica os tripulantes de uma embarcação e que até então não era exigido.

Os problemas decorrentes dos decretos presidenciais 8424 (seguro-defeso) e 8425 (RGP), que, segundo o MPP, ferem a identidade dos pescadores e pescadoras artesanais, foram apontados pelos trabalhadores da pesca ao subprocurador, que criticou a postura do governo. “Eles não podem fazer isso, porque de acordo com a convenção 169 da OIT, os povos precisam ser consultados”, argumentou Luciano Maia. O subprocurador se disse impactado pelo conjunto de informações dos relatos dos pescadores e pescadoras e prometeu colaborar. Como os decretos 8424 e 8425 estão em processo de revisão, o procurador se comprometeu a questionar a falta de participação e consulta aos pescadores e pescadoras.

Outra proposta que saiu da reunião foi a realização de uma audiência pública para discutir os mesmos decretos.

Fonte: Movimento de Pescadores e Pescadoras Artesanais

 

Leia também
Receba nossa notícias em seu e-mail.
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...