Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Ação contra saques cumpre mandados em Morretes, Paranaguá, Pontal do Paraná e SC

Fotos: PCPR

Polícia Civil (PCPR) e Polícia Rodoviária Federal (PRF) iniciaram nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (8) um ação para cumprir 33 ordens judiciais contra uma organização criminosa ligada a saques de cargas. Estima-se que o prejuízo causado às vítimas seja de mais de R$ 3 milhões.

Pontal 40 milhões

São sete sequestros de veículos, dez mandados de prisão preventiva e 16 mandados de busca e apreensão. A ação acontece simultaneamente em Morretes, Paranaguá, Pontal do Paraná e ainda em São Bento do Sul, em Santa Catarina. A operação também conta com o apoio de um helicóptero.

Segundo a Polícia Civil, os criminosos aproveitavam-se de panes nos caminhões, acidentes ou do trânsito parado para cometerem as ações. 

As cargas geralmente eram de soja ou fertilizantes. Os autores rompiam os lacres que travavam o compartimento dos caminhões e derramavam a carga na rodovia e, posteriormente, outros integrantes recolhiam a carga do chão.

Os policiais apuraram que os crimes aconteciam na região litorânea do Paraná, causando prejuízo financeiro às empresas e ao fluxo viário de caminhões com destino ao Porto de Paranaguá, uma vez que o trânsito era interrompido para a limpeza da pista.

Com base nas investigações, a PCPR identificou que o grupo criminoso utilizava uma Organização Não Governamental (ONG) para tentar legitimar a origem das cargas saqueadas. 

A ONG, que trata indivíduos com dependência química, era acionada para recolher as cargas despejadas no solo, mas na sequência elas eram repassadas aos integrantes do grupo criminoso. Foram identificados diversos repasses de valores provenientes do líder do grupo criminoso para a ONG, como contrapartida pelas cargas recolhidas.

As investigações apontaram que a ONG não era responsável apenas pelo recolhimento, mas era utilizada pelos criminosos para mascarar a origem ilícita das cargas, que, em seguida, eram vendidas pela mesma organização sem a devida emissão de nota fiscal ou a partir de notas fiscais fraudulentas.

A PCPR também constatou que a ONG não emitia notas fiscais referentes às cargas recolhidas, entregues ao grupo criminoso, que, como contraprestação financeira, realizava doações simuladas à organização.

Os crimes investigados são furto qualificado, receptação, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Leia também

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More