Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Antonina faz seminário sobre implantação da nova Lei Florestal

lei-florestal-antoninaComeça nesta segunda-feira (22) em Antonina, o “Seminário Nacional Diálogos para Implantação da Nova Lei Florestal”.

Até quarta-feira (24), o projeto Semeando o Bioma Cerrado vai apresentar, seus objetivos de desenvolvimento sustentável para o período 2014 / 2015 e a forma como vem atuando para alcançá-los.

O projeto conta com parcerias técnicas e formação de multiplicadores na identificação de árvores e madeiras, seleção e marcação de matrizes, coleta e manejo de sementes nativas do Cerrado, produção de mudas e comercialização, além da conscientização de formadores de opinião sobre a importância desta cadeia.

O Projeto, que integra a Rede de Sementes do Cerrado, patrocinado pela Petrobras, participará do Seminário Nacional Diálogos para Implantação da Nova Lei Florestal promovido pela Associação de Defesa do Meio Ambiente e do Desenvolvimento de Antonina (Ademadan) por meio do projeto Recuperação de Áreas de Preservação Permanente na Floresta Atlântica (RAPPs).

Pontal 40 milhões

Boas práticas – De acordo com a coordenadora do RAPPs, Eliane Beê Boldrini, o evento foi planejado para desencadear uma rede nacional onde se encontrarão as boas práticas de recuperação e conservação de florestas e o envolvimento da agroecologia.

A expectativa nesses dias, frisa, é a de canalizar esforços rumo ao cumprimento da nova Lei Florestal e para que falemos a mesma língua. “É preciso que se saiba o que o Brasil faz e nossas práticas inspirem os novos editais, uma vez que serão do conhecimento de representantes, os quais integram cooperações técnicas; de gestores na elaboração de políticas públicas, bem como de todos os agentes presentes”, diz Eliane. Ela adianta que o segundo evento já tem lugar marcado. O próximo Seminário acontecerá em Bonito (MT) em 2015, quando serão apresentados resultados deste primeiro encontro, lançado um livro e uma rede de integração online de publicações e palestras.

O evento vai movimentar a cidade, diz Eliane, pois apesar de serem 210 pessoas inscritas para as palestras, 30 painéis e 20 vídeos apresentados, circularão por Antonina pessoas de todos os biomas brasileiros desde Porto Velho (RR) até o interior do Rio Grande do Sul. A comunidade está se preparando para recebê-los. Os moradores da cidade estão fazendo produtos artesanais, que estarão na feira agroecológica, onde o Semeando o Bioma Cerrado, através da Empresa Sayyou Brasil, mostrará um painel sobre a capina elétrica, “o que já gerou grande curiosidade dos participantes”, conta a coordenadora.

A programação contém palestras que tratarão de políticas públicas seguidas de mesas de discussão, apresentação de diferentes cenários frente a Lei Florestal e soluções, tudo apresentado para decisores de políticas públicas, uma vez que a expectativa é de que vejamos repercussão desta atividade nas decisões futuras. Eliane adianta: “queremos relacionar a questão das florestas e agricultura na perspectiva da agroecologia inclusive como uma nova forma na relação com a terra para a produção”.

Capina Elétrica – Em Antonina, o Semeando vai apresentar também uma alternativa de controle de ervas daninhas feita por meio de um sistema de capina elétrica. Desenvolvido no interior de São Paulo, o sistema até agora foi utilizado somente em lavouras e vai ser uma das ferramentas para o cumprimento dos objetivos do Semeando o Bioma Cerrado. Entre as metas desta fase do Programa está a de recuperar cinco hectares de área já degradada no bioma. A opção pelo processo de capina elétrica da Sayyou Brasil, de tecnologia própria e certificada pelo IBD, deve-se às características do processo que vão ao encontro dos objetivos expressos no projeto, explica o coordenador Rozalvo Andrigueto.

A capina elétrica, descreve, é uma solução acoplada ao trator que dispensa o uso de produtos químicos para dissecação das ervas daninhas com choques seletivos. O sistema apresenta maior longevidade e uma produtividade 25 vezes maior na proporção hectare/hora do que os outros métodos existentes. Além disso, representa um custo 30% menor no controle de ervas daninhas para o produtor e o capim permanece seco na área fazendo a cobertura necessária, preservando as relações ecológicas. “Trata-se de uma alternativa orgânica no controle do capim”, destaca o coordenador que aguarda as primeiras chuvas no Centro Oeste para programar o início dos testes com a capina elétrica e aplicação de outros modelos de recuperação de área degradada.

Até 2015 – O projeto Semeando o Bioma Cerrado é patrocinado pela Petrobras até 2015 e tem como objetivo restaurar cinco hectares de áreas já degradadas, georreferenciar 3.600 árvores matrizes, demarcar 60 áreas (cerca de 600 hectares como área preservada), capacitar tecnicamente 390 pessoas para produzir sementes e mudas florestais nativas em condições ambientalmente corretas, economicamente sustentáveis e sensibilizar e conscientizar diretamente 886 pessoas em ações de Educação Ambiental e mais de 2.500 indiretamente. O projeto prevê ações implementadasno Distrito Federal, nos municípios goianos de Ipameri, Alto Paraíso de Goiás, Cavalcante, Barro Alto, Pirenópolis, Goianésia, Ceres, Santo Antônio do Descoberto e Goiânia em Goiás. No Mato Grosso, o município de Sinop foi incluído nesta fase por situar-se em área de Cerradão, uma transição entre os biomas Cerrado e Amazônia.

Cerrado em risco – O Cerrado brasileiro é o segundo maior bioma do País com uma área de cerca de dois milhões de quilômetros quadrados (quase 205 mil campos de futebol) que envolve 11 estados da federação desde a região Norte até o estado do Paraná, na região Sul.

O Cerrado também tem sua riqueza medida no fato de fazer fronteira com biomas da Amazônia, Mata Atlântica, Pantanal e Caatinga, o que lhe rende uma biodiversidade muito grande.

Mas o segundo maior bioma do Brasil corre o risco de ficar restrito às unidades de conservação, terras indígenas e áreas impróprias à agricultura até 2030, se o ritmo atual de degradação continuar. Restam cerca de 50% dos dois milhões de quilômetros quadrados originais deste bioma onde pouco mais de 2,2% está protegido em unidades de conservação.

22/set – Segunda-feira

19h – Cerimonial Abertura (Teatro Municipal)

21h – Coquetel Confraternização (Hotel Camboa)

23/set – Terça-feira

8h às 9h – Inscrição de Participantes / Cadastro. Local: Ademadan

9h à 9:40h – Palestra de Abertura: Roberto Resende (Observatório do Código Florestal).

Local: Teatro Municipal

9:40h à 12h – Mesa Redonda I “Políticas Públicas Ambientais para a Implantação da Nova Lei Florestal”. Com Carlos Alberto Scaramuza, da Secretaria de Florestas e Biodiversidade (MMA/SBF); Gabriel Henrique Lui, da Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável (MMA/SEDR) e Mariese Cargnin Muchailh do Instituto Ambiental do Paraná (DIREB/SEMA/IAP). Local: Teatro Municipal.

14h à 17h – Mesa Redonda II “Contribuições para a Implantação da Nova Lei Florestal – Parte I”. Com Sidney Almeida Filgueira de Medeiros, Assessor Técnico do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (DEPROS/SDC/MAPA); Nilo Diniz, da Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental (MMA/SAIC); Priscila Monerat, representante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e Escola Latino Americana de Agroecologia e Efrain Rodrigues, da Rede Brasileira de Restauração (REBRE).

Local: Teatro Municipal.

19h às 21h – Mostra de Vídeos de Projetos Socioambientais que podem contribuir com a Implantação da Nova Lei Florestal. Local: Trapiche Feira Mar e Ademadan.

24/set – Quarta-feira

8h às 11:30h – Mesa Redonda III “Contribuições para a Implantação da Nova Lei Florestal – Parte II”. Com Gislaine Garbelini, do Programa Petrobras Socioambiental (PETROBRAS); Márcio Macedo Costa, da Iniciativa BNDES Mata Atlântica (BNDES); Valter Bianchini, Secretário Nacional da Agricultura Familiar (MDA) e Armin Deitenbach representante da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ). Local: Teatro Municipal.

14h à 16h – Mostra de Painéis e Publicações de Projetos Socioambientais desenvolvidos em diversos biomas Brasileiros. Local: Praça Coronel Macedo.

EXPONINA – Feira Agroecológica organizada pela Secretaria Municipal de Turismo e Cultura de Antonina/PR

Leia também

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More