Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Gazeta do Povo esconde prova que Prefeitura de Guaratuba não cobra IPTU de prédio que caiu

Imagem do carnê sem corte mostra que Valor Venal da Edificação é "0,00"
Imagem do carnê sem corte mostra que Valor Venal da Edificação é “0,00”
Imagem publicada na Gazeta do Povo esconde que não existe cobrança sobre sobre o prédio.
Imagem publicada na Gazeta do Povo esconde que não existe cobrança sobre sobre o prédio.

A Gazeta do Povo volta a carga e afirma que a Prefeitura de Guaratuba “cobra IPTU de prédio que caiu”. Prefeitura desmente e mostra dados que a reportagem escondeu dos leitores.

Um dia depois de publicar matéria sobre os 20 anos do desabamento do Edifício Atlântico, o jornal curitibano, publica, nesta segunda-feira (2), reportagem que reforça afirmações feitas no dia 28 pela TV RPC, do mesmo grupo empresarial.

Pontal 40 milhões

Segundo os dois veículos, a Prefeitura de Guaratuba cobra IPTU dos apartamentos que não mais existem. Quem tinha apartamento no imóvel ainda hoje recebe a cobrança de IPTU, como se o prédio estivesse em pé, diz a reportagem. Ou seja, cobra imposto do prédio (predial). A “denúncia” se baseia em depoimento de uma antiga moradora do prédio e de uma advogada que a representa. O motivo foi uma execução fiscal por impostos que ela não pagou de uma fração de terreno que ainda possui e tem valor de mercado.

Procurada pela reportagem antes da veiculação da matéria na TV, a Assessoria de Comunicação da Prefeitura esclareceu que desde 2006, ano posterior ao acidente, o Município não cobra imposto predial, apenas o imposto territorial da fração do terreno. No Facebook, o procurador do município, Marcelo Bom dos Santos acrescenta que “a não cobrança desse imposto sobre o terreno caracterizaria renúncia de receita pelo gestor e este poderia ser responsabilizado por isso”.

A Prefeitura também explica que os carnês referentes ao imposto territorial mostra o número do apartamento e da garagem apenas como forma de identificação e distinção das demais frações do terreno. Sobre a execução fiscal, o Município afirma que se refere ao não pagamento do imposto territorial, e que é feito sobre imóvel constante no registro de imóveis.

Além de depoimento, a Gazeta mostra dois documentos. Um deles – imagem acima – é cortado justamente onde mostra que o valor venal da edificação é “0,00”. A imagem, mesmo editada, deixou escapar que a cobrança que existe é do Imposto Territorial Urbano, ou seja da fração do terreno. No Paraná TV 1º Edição do dia 28, o valor de “0,00” aparece em fração de segundo. Veja a imagem congelada da cena mostrada aos 5 minutos e 25 segundos (5:25) (http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2015/01/apos-20-anos-sobreviventes-falam-da-queda-de-predio-no-litoral-do-parana.html)

Além de ter o esclarecimento encaminhado pela Assessoria de Comunicação, a reportagem da Gazeta teve acesso ao documento que comprova que não existe cobrança.

Veja aqui outros as imagens cortadas e publicadas pela Gazeta do Povo e os documentos que comprovam que a Prefeitura não cobra imposto do Prédio que caiu. Observe que a “área construída” é “00,00”. Veja que a execução fiscal é sobre o Imposto Territorial Urbano.

gazeta-imposto-cortada
As imagens da Gazeta escindem do leitor que valor venal do “apartamento” é “0,00” e que execução é sobre Importo Territorial que não foi pago.

 

Extrato mostra que área construída é "00.00"
Extrato mostra que área construída é “00.00”
Execução é feita sobre Imposto Territorial Urbano
Execução é feita sobre Imposto Territorial Urbano
rpc-area-zero
Imagem da RPC TV mostra, em fração de segundo, informação que foi escondida do telespectador

 

rpc-venal-zero
Outra imagem da RPC TV mostra, em fração de segundo, informação escondida do telespectador

 

Com informações da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Guaratuba
Imagens: Gazeta do Povo, RPC TV, G1, e Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Guaratuba
Leia também

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More