Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Benefício Assistencial – Loas

escudo-fatel

A assistência social é direito do cidadão e dever do Estado, consistindo em uma política de seguridade social que não depende de contribuição e realizada por meio de um conjunto integrado de ações para garantir e assegurar o atendimento às necessidades básicas.

Com o objetivo de suprir a carência para garantir a sobrevivência de quem vive em condições mínimas de manter o próprio sustento, conforme consta do artigo 203 da Constituição Federal de 1988, foi recepcionado pela Lei n.º 8.742/1993, a conhecida Lei Orgânica da Assistência Social – LOAS, o Beneficio Assistencial de prestação continuada.

Esta prestação pecuniária assistencial conhecida como Beneficio de Prestação Continuada, tecnicamente não e um benéfico uma vez que não exige carência, no entanto é concedido pela Previdência Social para fim de atender aquele que não tem condições de manter sua sobrevivência, conforme podemos verificar o que determina o artigo 3º do Decreto n.º 3.048/1999 em que a assistência social é a política social que provê o atendimento das necessidades básicas, traduzidas em proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência, à velhice e à pessoa portadora de deficiência, independentemente de contribuição à seguridade social.

2 – BENEFICIÁRIOS

Para ser beneficiário desta assistência, consideram-se como protegidos aquelas pessoas que não tem renda para seu próprio sustento sem amparo também da família, sendo deficiente ou necessitado (idoso e criança).

A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 203 e incisos, entende que esta prestação deverá ser concedida para aqueles que necessitam, tendo como objetivo a proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice com amparo às crianças e adolescentes carentes, a promoção à integração ao mercado de trabalho, a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência, a promoção de sua integração à vida comunitária, a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que comprovem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser a lei a respeito.

Considera-se pessoa com deficiência aquela que possui impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas (artigo 20º § 2º da Lei 8.742/1993.

3 – DA CONCESSÃO DO BENEFÍCIO ASSISTENCIAL

O benefício assistencial será garantido aos idosos e aos deficientes quem comprovarem não possuir meios de prover o próprio sustento, correspondendo à garantia de um salário mínimo devido à pessoa portadora de deficiência e ao idoso com 65 anos ou mais, conforme determina o artigo 20 da Lei n.º 8.742/1993.

A concessão deste benefício somente será feita ao brasileiro, ao indígena não amparado por nenhum sistema de previdência social ou ao estrangeiro naturalizado e domiciliado no Brasil, não coberto por sistema de previdência do país de origem.

Este benefício poderá ser pago a mais de um membro da família desde que comprovada todas as exigências, para o inválido.

Considera-se pessoa idosa para fins de recebimento do benefício, aquela que possui 65 (sessenta e cinco) anos ou mais de idade que comprove não possuir meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família, sendo esta a previsão do artigo 20º da Lei n.º 8.742/1993.

Não basta ser apenas idoso ou deficiente deverá ainda comprovar que a renda familiar “per capita” é inferior a ¼ do salário mínimo.

A Lei n.º 12.435/2011 entende como família aquele núcleo composto pelo o cônjuge ou companheiro, os pais e, na ausência de um deles, a madrasta ou o padrasto, os irmãos solteiros, os filhos e enteados solteiros e os menores tutelados, desde que vivam sob o mesmo teto.

Considera-se deficiente aquele que comprovar impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, composta por avaliação médica e avaliação social realizadas por médicos peritos e por assistentes sociais do Instituto Nacional de Seguro Social – INSS, nos termos do artigo 20 § 3º e 6º da Lei n.º 8.742/1993 devendo ainda obter o Parecer do Serviço Social e da Perícia Médica demonstrando tal incapacidade para a vida independente e para o trabalho e ainda não ter renda superior a ¼ do salário-mínimo vigente na data do requerimento e que não estava recebendo nenhum benefício previdenciário.

Ainda em atenção ao artigo 20, da Lei n.º 8.742/1993, temos que o idoso para concessão do benefício deverá comprovar idade igual ou superior a 65 anos para o idoso, (artigo 20º da Lei n.º 8.742/1993), com renda mensal da família inferior a ¼ (um quarto) do salário-mínimo vigente na data do requerimento (artigo 20, § 3º da Lei 8.742/1993, e ainda não estar recebendo benefício pela Previdência Social ou por outro regime previdenciário (artigo 20, § 4º da Lei 8.742/1993).

4 – DO ACÚMULO COM OUTROS BENEFÍCIOS

Não poderá ser o LOAS concedido quando o beneficiário estiver recebendo algum benefício previdenciário, uma vez que a lei proíbe o acúmulo com outros benefícios conforme o artigo 20, § 4º da Lei n.º 8.742/1993, qual seja:

§ 4º: O benefício de que trata este artigo não pode ser acumulado pelo beneficiário com qualquer outro no âmbito da seguridade social ou de outro regime, salvo os da assistência médica e da pensão especial de natureza indenizatória”.

5 – DA RENDA FAMILIAR

A renda familiar mensal a precisa ser declarada pelo requerente ou seu representante legal, comprovando que o valor per capita seja inferior a 1/4 (um quarto) do salário-mínimo.

No caso de deficiente que é contratado mediante contrato de aprendizagem, entende a lei que a remuneração da pessoa com deficiência na condição de aprendiz não será considerada para fins do cálculo. Considera-se incapaz de prover a manutenção da pessoa com deficiência ou idosa a família cuja renda mensal per capita seja inferior a 1/4 (um quarto) do salário-mínimo.

6 – DA OBRIGATORIEDADE DE AVALIAÇÃO PERIÓDICA

Determina o artigo 21 da Lei n.º 8.742/1993 que este benefício deve ser revisto a cada 02 (dois) anos para avaliação das condições de incapacidade que deram origem ao requerimento e concessão da prestação continuada.

7 – CESSAÇÃO, SUSPENSÃO E CANCELAMENTO DO BENEFÍCIO

7.1. Cessação

A cessação do benefício de prestação continuada concedido à pessoa com deficiência não impede nova concessão do benefício, desde que atendidos os requisitos definidos em regulamento.

O pagamento do benefício cessa no momento em que forem superadas as condições referidas no “caput” do artigo 21 da Lei n.º 8.742/1993, conforme item “6” desta matéria, ou em caso de morte do beneficiário.

7.2. Suspensão

O benefício de prestação continuada será suspenso pelo órgão concedente quando a pessoa com deficiência exercer atividade remunerada, inclusive na condição de microempreendedor individual (artigo 21-A da Lei n.º 8.743/1993).

7.3. Cancelamento

O benefício será cancelado quando se constatar irregularidade na sua concessão ou utilização.

8. DOS REQUISITOS E DOCUMENTOS PARA REQUERIMENTO DO BENEFICIO

8.1. Idoso

1. idade mínima de 65 anos (artigo 20 da Lei n.º 8.742/1993);

2. Renda mensal da família ser inferior a ¼ (um quarto) do salário-mínimo vigente na data do requerimento (artigo 20, § 3º da Lei n.º 8.742/1993);

3. Não estar recebendo benefício pela Previdência Social ou por outro regime previdenciário (artigo 20, § 4º da Lei 8.742/1993).

8.2. Pessoa com Deficiência

1. Parecer do Serviço Social e da Perícia Médica comprovando que a deficiência incapacita para a vida independente e para o trabalho (artigo 21-A, § 1º da Lei n.º 8.742/1993 e artigo 4º do Decreto n.º 6.214 de 26/09/2007;

2. Renda mensal da família ser inferior a ¼ (um quarto) do salário-mínimo vigente na data do requerimento (artigo 20 § 3º da Lei 8.742/1993);

3. Não estar recebendo benefício pela Previdência Social ou por outro regime previdenciário (artigo 20º § 4º da Lei 8.742/1993).

8.3. Documentos para o requerimento do beneficio

  • Número de Identificação do Trabalhador – NIT (PIS/PASEP) ou número de inscrição do Contribuinte Individual/Doméstico/Facultativo/Trabalhador Rural, se possuir;

  • Documento de Identificação(Carteira de Identidade e/ou Carteira de Trabalho e Previdência Social);

  • Cadastro de Pessoa Física – CPF;

  • Certidão de Nascimento ou Casamento;

  • Certidão de Óbito do esposo(a) falecido(a), se o beneficiário for viúvo(a);

  • Comprovante de rendimentos dos membros do grupo familiar;

  • Tutela, no caso de menores de 21 anos filhos de pais falecidos ou desaparecidos;

  • Cadastro de pessoa Física – CPF; (Requerimento do Benefício por Representante Legal)

  • Documento de Identificação (Carteira de Identidade e/ou Carteira de trabalho da Previdência Social

  • Requerimento de Benefício Assistencial – Lei n.º 8.742/1993;

  • Declaração sobre a Composição do Grupo e da Renda Familiar do Idoso e da Pessoa Portadora de Deficiência;

  • Procuração, acompanhada de identificação e CPF do procurador.

Ressaltamos, outrossim, que a Previdência Social pode requerer outros documentos específicos para a comprovação de deficiência, devendo ser observado no “site” www.previdencia.gov.br

https://www.facebook.com/pages/FATEL-Contabilidade/153676888120928

www.fatelcontabilidade.com.br

fatelcontabilidade@hotmail.com

@fatelcontabilid

Leia também
Receba nossa notícias em seu e-mail.
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...