Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Aves resgatadas no Litoral do Paraná estavam com intoxicação

Esta ave tinha evidência de plástico no trato digestório. Fotos: LEC/UFPR

No mês de dezembro, a equipe do Laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná (LEC/UFPR) recebeu, via Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), mais de 20 acionamentos relacionados a animais marinhos vivos no litoral do Paraná.

As aves foram os principais animais vivos registrados, sendo 12 gaivotas (Larus dominicanus), espécie mais abundante neste período; três atobás-marrom (Sula leucogaster); e duas fragatas-comum (Fregata magnificens).

Depois de resgatados, os animais foram encaminhados à equipe especializada do Centro de Reabilitação, Despetrolização e análise de saúde de fauna marinha (CreD), com sede no Centro de Estudos do Mar (CEM), em Pontal do Paraná.

Segundo os especialistas, nesta época do ano é comum receber espécies de aves, principalmente juvenis, com doenças adquiriras devido à ingestão de alimentos em decomposição e de resíduos sólidos ou à intoxicação por algas, que se proliferam com maior intensidade neste período. Na fase juvenil, os animais ainda estão aprendendo como buscar alimento e interagir com ambiente e, geralmente, procuram alimentos de fácil acesso como dejetos deixados na praia ou acumulados em outras áreas abertas.

No caso das gaivotas, por exemplo, as ocorrências de intoxicação alimentar ou contaminação são muito comuns. No entanto, a equipe do LEC/UFPR ainda está analisando as situações e não fechou um diagnóstico completo do que pode ter ocasionado o quadro de debilitação da fauna registrada nos últimos dias. De modo geral, o diagnóstico das aves sugere interação com fontes de contaminação por fungos, bactérias e outros patógenos relacionados a ambientes degradados ou à presença de resíduos sólidos.

A equipe informa que uma análise mais detalhada está sendo realizada e reforça que cabe a todos cuidarem melhor da destinação do lixo e garantir que, com urgência, o litoral paranaense esteja todo ligado à rede de esgoto.

 

Fonte: LEC / UFPR
Leia também
Comentários
Carregando...