Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Ansiedade

É mais simples do que podemos achar: ontem, nós fomos; hoje, nós somos; amanhã, seremos o que decidirmos hoje. O futuro surge das escolhas de cada momento. O novo sucedendo o velho.

À medida que se vive, percebe-se a incompetência que se tem frente ao novo. Percepção que gera ansiedade, às vezes, até angustia.

A pedagoga Madalena Freire considera essa percepção parte fundamental no processo, o ponto inicial para assumir o novo em nós mesmos. Que faz o velho renovar-se, a querer saber mais, a prolongar a prática da vida.

No entanto, para assumir o novo, recomenda paciência. Ser paciente não significa abafar a ansiedade, mas saber que ela tem um lado positivo. A ansiedade não é compulsão que não gera crescimento, mas sufoca.

A diferença entre uma pessoa compulsiva – que não vive e nem vê os seus próprios limites – e uma pessoa dinâmica, é que esta reconhece e respeita as suas limitações, escuta a si mesma e reflete sobre a sua prática de vida.

A ansiedade surge no confronto entre o velho e o novo, adrenalina presente, no processo de crescimento. Deixar o velho para ficar somente com o novo é não assumir-se integralmente. “Sem o velho não se constrói o novo”, diz.

Ensina Madalena, que tem um momento certo para se romper com o velho. No átimo, se faz necessário refletir sobre o que não mais se quer do velho, o que ainda se quer, e o que de fato se quer do novo. O resto é por conta da coragem própria em se criar.

Meditações em uma fria e solitária noite de julho…

Inverno, 2016

Leia também
Receba nossa notícias em seu e-mail.
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...