Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Uma conta que não fecha

Aquecimento global e alteração climática é assunto controverso. Para alguns, a temperatura da terra aumenta por influência humana. Para outros, o planeta passa por um período cíclico absolutamente natural.

Divergências a parte, poucos discordam que o meio ambiente está ficando comprometido e que os recursos naturais são consumidos rapidamente.

Segundo o economista Cláudio de Moura Castro, essa “conta ecológica” não fecha. Tampouco os argumentos dos “ecoirresponsáveis” e dos “ecobobos”, dos que acham que tudo pode em favor do crescimento econômico e dos que acham que nada pode em favor da conservação e preservação.

Sugere que a solução, ou a possível solução, está no “caminho do meio”, ou seja, aprendermos a utilizar a natureza com parcimônia e inteligência. E, por minha conta, com responsabilidade e visão de futuro.

No centro do debate surge a escola e a escolarização das pessoas. Não significa que pessoas escolarizadas não cometam danos ao meio ambiente, mas que sem a escola, os avanços se tornam difíceis, pois ela proporciona conhecimento e valores para os indivíduos.

Utilizar racionalmente os recursos naturais implica no entendimento dos processos ecológicos. Foi a baixa densidade demográfica e a falta de tecnologia que impediu os povos primitivos destruir a natureza.

O equilíbrio é delicado: uma mexida aqui estraga acolá. Abelhas somem, sapos e rãs desaparecem. Nos lagos da Nova Inglaterra, os pássaros migratórios escasseiam, porque os lobos foram eliminados, a população de cervos cresceu sem controle e está faltando sementes para alimentar os pássaros. E por aí segue.

Sem pesquisa científica não são compreendidos os ciclos da natureza e os seus desequilíbrios. Sem ensino de qualidade e para todos, não são entendidas as explicações dos cientistas. Sem escola, a percepção chega somente aonde o olhar alcança e, assuntos complexos como aquecimento global não são visíveis a olhou nu. “Se individualmente destruímos infinitesimalmente, nada acontece, mas se coletivamente todos destruírem o seu infinitésimo, o resultado será uma catástrofe ecológica”, ensina Moura Castro.

A pessoa com escolaridade valoriza o futuro e para garanti-lo dispensa até alguns benefícios imediatos. Pensa no filho, no neto e no planeta que deixará para eles. Não é demais lembrar que pessoas escolarizadas avaliam melhor seus governantes e escolhem aqueles comprometidos com o interesse coletivo.

Pesquisas revelam que a educação reduz as explosões demográficas. Demonstram que a escolaridade aumenta a intolerância para com o ilícito.

A expressão “capital social se associa à propensão para a ação coletiva, confiando e colaborando com os outros, sem a certeza de que os outros farão o mesmo. É a disposição voluntarista de investir no que promove o interesse coletivo”.

Com relação ao meio ambiente esse procedimento sem garantia de reciprocidade é fundamental, dada à dificuldade de se fiscalizar o que cada um faz de bom ou de ruim para a natureza.

O fato é que muito tem que ser feito para evitar o uso desmedido da natureza. Isso é nitidamente percebido em municípios como Itapoá onde o patrimônio natural sofre os impactos, muitas vezes abusivos, do acelerado crescimento econômico e demográfico.

No entanto, seguramente, a solução será infinitamente difícil, senão impossível, se for pouca ou ruim a educação.

Itapoá (verão), 2017

Leia também
Receba nossa notícias em seu e-mail.
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...