Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná
Matinhos abril 24 Curtiu a Diferença 1170 250 busao

Reserva no Litoral verifica reprodução de animais ameaçados de extinção

Foto: Haroldo Palo/Fundação Grupo Boticário

Pesquisadores do Programa Grandes Mamíferos da Serra do Mar identificaram animais de 12 espécies ameaçadas de extinção na Reserva Natural Salto Morato, mantida pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, em Guaraqueçaba, no litoral norte do Paraná.

Entre os mamíferos registrados, estão o gato-mourisco, a onça-pintada, o gato-do-mato, a onça-parda ou puma e o gato maracajá. A classificação é feita pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN).

Entre as aves, destacam-se a jacutinga, importante dispersora de sementes da palmeira-juçara, planta ameaçada de extinção, e o raro gavião-pombo-pequeno, espécie endêmica do Brasil associada a florestas em bom estado de conservação.

“A Mata Atlântica é o bioma que possui mais espécies de fauna e flora ameaçadas de extinção, sobretudo, por ser um hotspot, área que possui muita riqueza natural e espécies endêmicas que só são encontradas ali. Ter nossa reserva como refúgio para parte dessas espécies ameaçadas é um grande indicativo, pois mostra que a área possibilita habitats saudáveis suficientemente capazes de abrigar espécies com tamanha importância para a conservação do bioma”, disse a gerente da Reserva Natural Salto Morato, Ginessa Lemos.

Estratégia

A identificação dos animais, feita pelos pesquisadores, contou com uma base de dados de mais de 4 mil registros feitos ao longo dos últimos 10 anos no local. Lemos ressaltou a importância de áreas protegidas como estratégia de conservação e preservação de habitats. A Reserva Natural Salto Morato existe desde 1994.

“Hoje, a gente já colhe resultados importantes como o aparecimento da onça-pintada. Dessa e de outras 11 espécies ameaçadas de extinção dentro de uma área que é considerada até pequena – 2.253 hectares –, mas bem expressiva em termos de biodiversidade”, explicou.

A gerente acrescentou que, nos últimos anos, tem aumentado o número de registros de espécies ameaçadas acompanhados por filhotes. Ginessa ressaltou que esse tipo de registro mostra que áreas protegidas cumprem um papel essencial na preservação de habitats naturais, na manutenção do equilíbrio dos ecossistemas e na manutenção de populações viáveis da fauna local.

“Em 2021 e 2022, tivemos o maior número de registro de espécies adultas com filhotes. Ao todo foram seis: dois de gato-mourisco, um de onça-pintada, um de gato-do-mato e outro de jaguatirica.

Em 2021, tivemos o primeiro registro de filhote de puma. Isso é uma grande vitória para a conservação”, especificou. 

Salto Morato, mantida pela Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, faz parte da Grande Reserva Mata Atlântica, o maior remanescente contínuo do bioma no Brasil, que engloba 60 municípios do Paraná, Santa Catarina e São Paulo, e também está em uma área reconhecida pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) como Patrimônio Natural da Humanidade.

Fonte: Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil – São Paulo | Edição: Kleber Sampaio

Leia também