Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Polícia Ambiental apreende 274 Kg de palmito em Guaratuba

Guaratuba, 11 de janeiro de 2019. Flagrante de Transporte Irregular de Palmito

A Polícia Ambiental apreendeu 274 quilos de palmito in natura após uma denúncia anônima ser enviada na madrugada desta sexta-feira (11).

Uma mulher acabou detida e o filho, de menos de um ano, que estava com a mãe na abordagem, foi amparado pelo Conselho Tutelar do município. O marido dela fugiu e segue procurado pela polícia.

Segundo o subtenente Nelson Hercilio Mansani, por volta de 5h os policiais militares se deslocaram até uma estrada rural por onde passaria o carro (GM/Montana) carregado com o palmito. “Ao ser anunciada a abordagem havia um casal e uma criança no carro. O motorista correu a pé e a mulher, que estava com o bebê no colo, tentou fugir e acabou caindo num banhado. Tivemos que prestar socorro pois ela e o filho quase se afogaram”, explicou.

Na carroceria da pick-up havia sete caixas de plástico repletas de palmito in natura, ainda sem preparo, o qual seria levado para receber os devidos procedimentos para envase e, posteriormente, comercialização. “No total havia 274 quilos do produto, que se fosse acondicionado em vidros, poderia render até 500 unidades”, declarou o subtenente.

O material foi levado à sede da Polícia Ambiental de Guaratuba, no bairro Mirim, para a lavratura do Termo Circunstanciado (TC) pelo crime ambiental de transporte de palmito sem autorização. Após a confecção do documento foi encaminhado ofício ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP).

O palmito foi avaliado e como estava próprio para consumo, foi doado a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Guaratuba. “O Batalhão de Polícia Ambiental é parceiro nosso e nos auxilia com doações que complementam a dieta das nossas crianças”, explicou a secretária da entidade, Maurene Perez Kolossovski.

De acordo com o subtenente Mansani, a apreensão de palmito faz parte dos resultados de atividade do batalhão durante a temporada de verão. São feitas operações e abordagens a estabelecimentos comerciais que utilizam palmito para a produção de alimentos a fim de verificar os selos de garantia de origem e qualidade.

“Nossos esforços são concentrados para inibir os crimes ambientais, e no caso do palmito atuamos não só na fiscalização da extração, mas também no transporte e comercialização, para que o consumidor possa adquirir um produto mais seguro”, afirmou.

Fotos: Soldado Amanda Morais

Leia também
Receba nossa notícias em seu e-mail.
Inscreva-se para receber as últimas novidades e atualizações diretamente no seu e-mail.
Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento
Comentários
Carregando...