Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Pesca do camarão abre nesta segunda-feira

Foto: Gustavo Aquino / Arquivo Correio do Litoral

Termina neste domingo, dia 31 de maio, o período de proibição de captura de diversas espécies de camarão nas regiões Sul e Sudeste: rosa (Farfantepenaeus paulensis, Farfantepenaeus brasiliensis e Farfantepenaeus subitilis), sete-barbas (Xiphopenaeus kroyerl), branco (Litopenaeues schimitti), santana (Pleoticus muelleri) e barba ruça (Artemesia longinaris).

Em Guaratuba, o camarão sete-barbas é uma das principais fontes de receita da cidade. Dados de 2017, apontem que a captura do camarão marinho representou um Valor Bruto de Produção de R$ 64,1 milhões. Para se ter uma comparação, o restante do pescado representou R$ 8,8 milhões e a banana, que tem Guaratuba como maior produtor do Estado, teve um VLB de R$ 61,2 milhões naquele mesmo ano.

A abertura traz um alívio para a economia de Guaratuba, principal porto pesqueiro do Paraná. Os últimos dias têm sido de intensa movimentação nos trapiches e na preparação dos barcos. Pescadores e suas famílias se preparam para uma permanência no mar que vai durar entre uma e duas semanas.

A liberação da captura também reacende a polêmica sobre o período correto de defeso do camarão sete-barbas da sustentabilidade da especie e da atividade econômica em torno do crustáceo. O Correio do Litoral tem repetido este assunto há anos. Entenda:

Rosa – Nos três meses de proibição – 1º de março a 31 de maio – acontece a reprodução dos três tipos de camarão rosa, justamente os produtos do setor industrial, pois eles são encontrados mais afastados da costa e exigem embarcações de grande porte para serem alcançados.

O defeso no período correto garante a reprodução da espécie e a fonte de renda da indústria da pesca de Santa Catarina, que é bem melhor estruturada que a do Paraná.

Sete-barbas – Já o modesto setor empresarial da pesca do Paraná e as algumas comunidades pesqueiras artesanais do Paraná e de Santa Catarina se dedicam à captura do camarão sete-barbas.

De acordo com estudos científicos e com o conhecimento empírico dos pescadores, época de defeso estabelecida pelo governo federal (Portaria nº 74/2001 do Ministério do Meio Ambiente e pela Instrução Normativa 189/2008 do Ibama) não protege o camarão sete-barbas. Segundo pesquisas, pelo menos entre os estados de Santa Catarina e Paraná, o período de reprodução é em outubro, novembro e dezembro.

A desova se estende até janeiro e quem pesca neste mês pega grande quantidade de filhotes, que têm pouco valor comercial. Segundo os estudos, é no período em que a pesca está proibida, entre março e maio, que ocorre a maior abundância do sete-barbas no litoral do Paraná e também no de Santa Catarina.

Leia também
Comentários
Carregando...