Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Canal online busca aproximar ciência e saberes dos pescadores


“O que os pescadores pensam sobre a gestão pesqueira, o que a ciência tem produzido em prol de uma pesca sustentável, quais são os caminhos das unidades de conservação, das chamadas áreas marinhas protegidas”.

Esses são temas do recém-lançado Canal Nespamp – Diálogos e SaberesMarinhos, do Núcleo de Estudos em Sistemas Pesqueiros e Áreas Marinhas Protegidas, do Centro de Estudos do Mar da UFPR, em Pontal do Paraná. O canal está no Youtube.

O primeiro vídeo, “Limpando a sujeira na pesca de arrasto de camarão”, estreou na quinta-feira (30). Com duração aproximada de 14 minutos, o vídeo é resultado de projetos de pesquisa e extensão realizados pelo Nespamp nos últimos oito anos, relacionados ao diálogo sobre a redução da fauna acompanhante na pesca artesanal de arrasto de camarões.

De acordo com o professor do curso de pós-graduação em Sistemas Costeiros e Oceânicos da UFPR, Rodrigo Pereira Medeiros, medidas para reduzir o impacto da atividade sobre a biodiversidade marinha têm sido incentivadas. “Entre elas, está o uso de modificações na estrutura das redes para reduzir a captura indesejada de animais marinhos, conhecida como fauna acompanhante, que pode representar até 90% do total capturado, dependendo do local, época de pesca, tipo de rede e forma de realizar a pescaria”, afirma.

Medeiros explica que apesar do reconhecimento mundial da importância econômica, social e cultural da atividade pesqueira, a implementação dessas ações muitas vezes não é discutida por quem as utiliza: os pescadores. “O Nespamp acredita que a melhor forma de trazer benefícios para a pesca é um trabalho conjunto entre universidade e comunidades pesqueiras, com a integração de diferentes conhecimentos”.

O vídeo foi produzido e dirigido pela equipe do Núcleo de Estudos, em conjunto com Salmo Manuel de Borba, pescador artesanal de Pontal do Sul. O material oferecerá orientações sobre como utilizar a Grelha Nordmore, uma modificação na rede – conhecida como BRD, do inglês Bycatch Reduction Devices [Dispositivos de Redução da Fauna Acompanhante]. O instrumento pode reduzir em mais de 60% a captura da fauna acompanhante, informa o docente da UFPR.

A continuidade das ações de extensão pesqueira previam a realização de encontros e oficinas nas comunidades para demonstração do desempenho e da montagem dos BRDs nas redes de arrasto no litoral do Paraná e de Santa Catarina. “Com a necessidade de distanciamento social, surgiu a necessidade de manutenção do diálogo e troca de conhecimentos a partir das plataformas digitais”, afirma Medeiros.

Logo após o lançamento do vídeo, teve live no Facebook, que resultou em um vídeo no Canal. Os pescadores e pescadoras puderam tirar dúvidas sobre a rede e sua montagem e receber orientações diretamente do profissional.

Para facilitar a participação daqueles que não têm acesso contínuo à internet, foi disponibilizado o contato de whatsapp (47) 99193 9981 para que enviem vídeos, com perguntas e comentários que serão retransmitidos ao vivo, durante as lives.

Outros vídeos serão disponibilizados periodicamente no canal. Diálogos e entrevistas com pessoas que trabalham com pesca artesanal e representantes de unidades de conservação marinho-costeiras brasileiras também estão previstos.

Com informações da UFPR

Assista o Canal Nespamp

Leia também
Comentários
Carregando...