Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná
Matinhos abril 24 Curtiu a Diferença 1170 250 busao

Mergulhadores se unem em prol da pesquisa do mundo submerso

Novas tecnologias de mergulho permitem aproximação maior com a vida marinha, para estudo do comportamento de espécies, com o mínimo de impacto 

Peixe Frade registrado durante expedição de mergulho recreativo e científico | foto: Gabriel Marchi.

Os oceanos são o lar de criaturas incríveis e abrigam uma biodiversidade gigantesca, grande parte ainda desconhecida. O litoral paranaense é um dos menores no Brasil, com cerca de cem quilômetros de costa em contato com o Oceano Atlântico Sul, mas é uma das áreas mais importantes do mundo quando o assunto é biodiversidade. Esse pequeno trecho da costa brasileira possui diversas ilhas e vários pontos de recifes artificiais ricos em vida marinha que são monitorados pelo Programa de Recuperação da Biodiversidade Marinha (REBIMAR), iniciativa patrocinada pelo Governo Federal e pela Petrobras. 

O REBIMAR conta agora com uma nova tecnologia para a pesquisa subaquática, o equipamento de mergulho Rebreather. A tecnologia europeia chegou ao Brasil para contribuir para a observação de espécies difíceis de avistar, como o grande peixe Mero, as garoupas, além de tartarugas marinhas, raias e outras criaturas extraordinárias que habitam o incrível mundo submerso. Muitas espécies estão ameaçadas de extinção e são muito difíceis de encontrar em outros pontos da costa brasileira.

O equipamento é especial para a pesquisa porque não emite sons embaixo d’água e não solta bolhas. Sem ruídos, os seres marinhos não se assustam, pelo contrário, têm se aproximado cada vez mais dos mergulhadores-cientistas. O Rebreather permite que o ar seja reciclado por uma sessão de filtragem e retorne para o mergulhador. Com isso é possível ficar até três horas no fundo do mar. E foi assim que a equipe do REBIMAR registrou um comportamento muito especial do Mero. 

“O peixe gigante se aproximou muito perto de mim, algo inédito de ocorrer. O Mero chegou com muita curiosidade e praticamente encostou em mim, sem nenhum tipo de medo ou receio de ter um mergulhador na frente dele. Foi maravilhoso! Essa tecnologia proporciona encontros incríveis com a vida marinha, muito diferente do cilindro de mergulho comum”, conta Robin Loose, mergulhador e coordenador de Logística e Operações Náuticas na Associação MarBrasil.

Mero gigante se aproxima docilmente do mergulhador Robin Loose.

Robin explica que com o mergulho Scuba, aparelho tradicional com ar comprimido que solta bolhas, é quase impossível ter essa proximidade com os seres marinhos mais raros. “Já com o Rebreather, conseguimos chegar bem perto, medir o comprimento e avaliar o comportamento deles. É um benefício gigantesco para a pesquisa da ictiofauna, o conjunto de peixes de uma região ou ambiente”, acrescenta ele. 

Em todo Brasil, há apenas 5 Rebreathers e somente duas universidades usam essa tecnologia para pesquisa: a Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A Associação MarBrasil, responsável pelo REBIMAR, atualmente é a única ONG que possui esse modelo com fins científicos. 

Mas é preciso um longo treinamento e muita experiência embaixo d’água para usar o Rebreather. De modo algum os mergulhadores encostam no chão, eles flutuam como se estivessem voando. Isso impede qualquer tipo de contato que possa impactar no ecossistema marinho, quebrando corais, rochas ou remexendo o fundo do oceano, por exemplo. 

O REBIMAR possui dois mergulhadores qualificados e firmou uma parceria de cooperação técnica e científica com o centro de mergulho Acquanauta, que também adquiriu um Rebreather e atua com treinamento de mergulhadores e turismo. A parceria permite que mergulhadores recreativos mais experientes participem das expedições de pesquisa e ajudem nos registros. 

As imagens subaquáticas são cedidas para o projeto e têm aumentado o acervo do REBIMAR que faz um monitoramento constante das áreas foco de pesquisa que inclui as duas balsas naufragadas no litoral do Paraná, o Parque Nacional Marinho dos Currais, a Ilha da Figueira e Ilha do Castilho, essa última em São Paulo.

Reinaldo Alberti, sócio da Acquanauta, está entre os cinco instrutores mais bem qualificados do Brasil e participa ativamente das expedições do REBIMAR. “Como ONG, a MarBrasil não pode vender saídas de mergulho, então, a Acquanauta ajuda com doações para manutenção das lanchas e do combustível. E nossos mergulhadores assinam um termo de cessão de imagens para o REBIMAR”, explica. 

Raia-borboleta é registrada durante expedição de mergulho da Acquanauta e do Rebimar | foto: Gabriel Marchi

O banco de dados contribui para as pesquisas que já são desenvolvidas e, com isso, os mergulhadores recreativos valorizam ainda mais a atividade. Eles recebem os briefings de mergulho como se fosse uma atividade de educação ambiental, com informações sobre o local, que tipo de vida marinha tem ali e quais são as principais maneiras de mergulhar preservando o meio ambiente. 

A parceria com a Acquanauta é de longa data e envolve ainda a manutenção dos equipamentos e o fornecimento dos gases necessários. “Trabalhamos com uma mistura que já existe no ar que respiramos, com nitrogênio e hidrogênio, mas com um pouco mais de oxigênio para deixar o mergulho mais seguro e por mais tempo nesta faixa de 30 metros de profundidade”, esclarece Reinaldo. 

A fisioterapeuta e mergulhadora, Maria José Perrelli, participou de uma das expedições e considera a iniciativa essencial, principalmente para a conservação dos ambientes aquáticos, com a divulgação da vida marinha e o estudo do comportamento das espécies.

“A água é muito rica em alimento para os animais e tem muita vida, acho fantástica essa parceria. São mergulhos únicos, em nenhum outro lugar há uma aglomeração de Meros tão grande quanto nas balsas afundadas. Também pude ver uma variedade enorme de espécies como raia-manteiga, tartarugas marinhas, moreia e cardumes com peixes como garoupas, salema, olho-de-cão, entre outros”. 

O REBIMAR tem investido cada vez mais na prática da ciência cidadã, um   movimento que conta com a participação de pessoas comuns e pesquisadores amadores para produzir conhecimento científico. A participação popular contribui na coleta de dados e imagens, não só nos mergulhos, mas também pelo aplicativo SIG REBIMAR, onde qualquer pessoa pode fazer registros de encalhe da fauna marinha e de resíduos plásticos encontrados pela faixa litorânea. É uma aliança que produz conhecimento e traz mais pessoas para a causa da conservação dos oceanos.

Ambiente subaquático revela paisagens lindíssimas na região da Grande Reserva Mata Atlântica | foto: Gabriel Marchi.

Reportagem: Sandrah Souza Guimarães / Rebimar

Leia também