Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná
Matinhos abril 24 Curtiu a Diferença 1170 250 busao

Com uma morte confirmada em Antonina, Litoral chega a 1.489 casos de dengue

O Informe Semanal da Dengue divulgado nesta semana pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) registra 8.441 novos casos e mais sete óbitos pela doença no Paraná.

As sete novas mortes aconteceram em Antonina, Mariluz, Arapongas, Paranavaí, Apucarana (2) e Londrina, entre os dias 11 e 27 de janeiro. São três mulheres e quatro homens, com idades entre 24 e 75 anos. Ao todo, o Paraná soma 15 óbitos pela doença.

A morte em Antonina é a primeira do Litoral no período epidemiológico que iniciou no dia 30 de julho de 2023. No Litoral, já são 1.489 confirmações no Informe Epidemiológico da Sesa, com 272 casos registrados nesta semana.

Em primeiro lugar, Antonina, que já tem 873 casos confirmados, 225 só na última semana.

Paranaguá 481 confirmações, sendo 19 confirmações neste último informe. Morretes tem 52 confirmações, sendo 21 na semana que passou.

Em seguida vêm Guaratuba com 39 casos até agora, Matinhos com 26, Pontal do Paraná com 18. Guaraqueçaba tem um único caso em investigação e nenhuma confirmação.

Transmissão

Não custa lembrar, a transmissão da dengue acontece com a picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti infectado com o vírus. Os sintomas podem aparecer em até 15 dias.

Normalmente, a primeira manifestação da doença é febre alta (39°C a 40°C) que dura de dois a sete dias, acompanhada de dor de cabeça, fraqueza, dores no corpo, nas articulações e no fundo dos olhos.

Pode haver manchas que atingem a face, tronco, braços e pernas. Perda de apetite, náuseas e vômitos também podem ocorrer.

Lembre-se: Alguns medicamentos como ácido acetilsalicílico (AAS e Aspirina) e outros anti-inflamatórios não hormonais ( como Ibuprofeno, nimesulida, diclofenaco etc.), podem aumentar complicações hemorrágicas, principalmente em caso de dengue, por isso não devem ser utilizados.

Fake news: E também, ivermectina não cura da dengue, da mesma forma que não ajudava no tratamento da covid-19.

Leia também