Correio do Litoral
Notícias do Litoral do Paraná

Demolição nos mangues de Paranaguá chega a casas de veraneio, diz MPF

Segunda ação na localidade Flor do Caribe também atingiu construções de pessoas com alto poder aquisitivo, informa o Ministério Público Federal

Imóvel de veraneio foi demolido | Foto: Polícia Rodoviária Federal

A Ação Integrada de Fiscalização Ambiental (Aifa) prosseguiu com novas demolições de construções irregulares instaladas sobre os mangues de Paranaguá, na manhã desta quarta-feira (29). 

Pontal 40 milhões

A intervenção concentrou-se novamente na localidade Flor do Caribe. A ação coordenada pelo Ministério Público Federal, contou com a presença do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Guarda Municipal e Prefeitura de Paranaguá.

“Diferente dos locais alvos das ações anteriores – em que parte das moradias irregulares pertencem a pessoas que podem se encontrar em vulnerabilidade social, na região Flor do Caribe é possível observar construções cujos proprietários detêm alto poder aquisitivo e casas de veraneio”, afirma o Ministério Público Federal. É a segunda ação das autoridades nesta região, que fica próxima à Ilha dos Valadares.

A Aifa segue com o objetivo de atuar de forma permanente e periódica na região, visando remover construções irregulares localizadas nos manguezais, bem como impedir que novas ocupações ocorram, evitando-se uma degradação ambiental ainda maior. As demolições se restringem, nesta fase da operação, a casas não habitadas e aterros.

Recomendação – A ação foi objeto de recomendação administrativa, por parte do MPF e do Ministério Público do Paraná, à Prefeitura de Paranaguá em junho deste ano, visando à demolição imediata de construções não ocupadas dentro da área de invasão. Além disso, recomendou-se a estatais envolvidas o desligamento e retirada de ligações de energia e água irregulares nas áreas de invasão de mangues.

Quatro ações – A primeira incursão da Aifa grupo ocorreu no dia 6 de setembro de 2023, na Ilha dos Valadares, região próxima ao rio Itiberê, com a demolição de construções não ocupadas; a segunda ocorreu no dia 11 de outubro de 2023 na Vila Guaraituba; as fases terceira e quarta ocorreram na área conhecida como Flor do Caribe. 

O conjunto de ações sofreu crítica quando foram demolidas casas de comunidades caiçaras.

Leia também

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More